Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Fonte

Presidente sem margem para falhar

Apostas falhadas de Pinto da Costa são incerteza quanto ao futuro.

Paulo Fonte(paulofonte@cmjornal.pt) 16 de Janeiro de 2016 às 00:30
Quando no último treino orientado por Julen Lopetegui, um dia após o empate com o Rio Ave, Pinto da Costa não marcou presença como é habitual nos momentos mais difíceis da equipa, era de prever o inevitável. Terminava um ciclo para o treinador basco, a segunda contratação consecutiva falhada do eterno presidente do FC Porto, apostas pessoais que salpicam pingos de incerteza sobre a argúcia sempre demonstrada pelo homem forte dos azuis-e-brancos.

Pouco tempo passara sobre as afirmações proferidas em clima de ‘romance’. "Quero manter Lopetegui por muito tempo", disse o dirigente, ao que o treinador retorquiu: "O presidente disse isso? Fico encantado. Fantástico." Mais uma vez um voto de confiança confirma a regra mas, não há dúvida, a posição de Pinto da Costa era insustentável e o técnico não ajudava. As permanentes indefinições, com soluções só com sentido na sua cabeça, causaram danos irreparáveis na relação com os adeptos, com reflexo na contestação à própria SAD, à qual não faltou a exibição de faixas a destacarem milhões ganhos e poucas conquistas.

O presidente do FC Porto fez o possível e são injustas as acusações do pai de Julen sobre a falta de solidariedade. Pinto da Costa vê-se agora sem margem para falhar, sob pena de perder o estatuto de intocável. Para mais, quando se afirmam candidatos disponíveis para lutar pela cadeira de sonho que é a liderança do clube.
Julen Lopetegui Rio Ave Pinto da Costa presidente do FC Porto
Ver comentários