Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Ricardo Rio

Numerus Clausus

Em áreas técnicas especializadas, existe um profundo desajuste.

Ricardo Rio 23 de Fevereiro de 2017 às 00:30
O desajuste entre a oferta de recursos à saída das Universidades e a procura do mercado de trabalho pelos potenciais contratantes versa frequentemente questões qualitativas, relativas aos conteúdos e perfis de competências ministrados e que os graduados ostentam na sua abordagem ao mercado de trabalho.

Aqui e além, produziram-se já reparos sobre a quantidade de novos formandos em certos cursos cada ano letivo, mas sempre em contextos em que a "salvaguarda da qualidade do ensino" ou reservas corporativas de algumas classes profissionais estimulavam as restrições ao número de alunos admitidos.

Hoje, é inequívoco que, em áreas técnicas especializadas, associadas a setores de elevado dinamismo económico em contexto nacional e internacional, existe um profundo desajuste entre o número de alunos que concluem as suas graduações em cada ano e aquilo que o mercado desejaria absorver.

E se as Universidades podem acomodar mais alunos nessas áreas, se as empresas se encontram ávidas por esses recursos e os mesmos são decisivos para as iniciativas de criação de emprego e captação de investimentos, porquê manter mecanismos arcaicos de regulação da oferta educativa no ensino superior?
Universidades educação política
Ver comentários