Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Moreira

Ódio e ‘silly games’

O dirigente desportivo deve-se resguardar, não confundindo rivalidade com inimizade e evitando discursos provocatórios.

Rui Moreira 28 de Agosto de 2016 às 00:30
Alguma tinta correu, esta semana, depois de um vice- -presidente do Benfica ter manifestado, num programa televisivo, a convicção e o desejo de ver o FC Porto goleado em Roma no jogo de apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões. Como isso não sucedeu e, pelo contrário, o Porto goleou a Roma, é natural que o gáudio portista pela vitória tenha travo melhorado por esse prognóstico errado.

Ri-me, confesso, porque em vésperas das últimas eleições autárquicas, e no mesmo programa desportivo, o mesmo senhor fez uma das suas desastrosas incursões pela política e prognosticou, com razoável grau de certeza, a minha derrota... Nas redes sociais, muitos benfiquistas garantiram que não se reviam nas declarações desse vice-presidente do seu clube, ao desejar goleada em Roma, mas citaram casos em que adeptos, claques e comentadores portistas também desejaram a pior das sortes ao Benfica em competições europeias.

Ora, não se pode confundir o comum adepto com o dirigente desportivo. O adepto não tem o mesmo nível de responsabilidade e, mesmo quando se trata de compromissos internacionais do rival, não comete crime de lesa-pátria por desejar ou até celebrar o seu insucesso daquele que é rival internamente. Assim sucede por toda a Europa, tanto mais que a Liga dos Campeões é uma prova em que os clubes concorrem, desejavelmente, sem preocupações nacionalistas e se representam, sobretudo, a si próprios. Já o dirigente desportivo deve-se resguardar, não confundindo rivalidade com inimizade e evitando discursos revanchistas e provocatórios. Pela responsabilidade do cargo e por dever de civismo e cidadania, mais a mais tratando-se, neste caso, de um antigo governante do País.

Resta perguntar qual o impacto de discussões públicas deste género onde dirigentes zurzem ódios e se fala de cabalas futebolísticas, onde nos tentam convencer que os jogos se ganham fora das quatro linhas e não pelo melhor ou pior futebol. Para as televisões, estas discussões são ‘reality shows’ interessantes e baratos, que convocam um público- -alvo e mantêm audiências. Mas, inevitavelmente, causam dano ao futebol, convocam violência e prejudicam todas as entidades envolvidas numa indústria, a começar nos próprios clubes que os interlocutores representam, e cuja credibilidade não precisa de mais abalos.

-----

Literaturas: Feira do Livro do Porto
A Feira do Livro do Porto abre na próxima sexta-feira, nos Jardins do Palácio de Cristal. A edição deste ano conta com 131 pavilhões, que incluem 69 editoras, 26 livrarias, 16 alfarrabistas, 12 instituições e 8 distribuidoras. A abertura oficial terá lugar às 18h30 na Galeria Municipal do Porto, com a inauguração de duas exposições que fazem parte da programação cultural deste ano: ‘100 Tesouros da Biblioteca Pública do Porto’, com curadoria de Fernando Pinto do Amaral, e ‘Reencontro com Vergílio Ferreira - Testemunhos e Perspetivas no Centenário do Escritor’, com curadoria de Isaque Ferreira e Maria Bochicchio.

Durante a edição deste ano, a Câmara Municipal do Porto homenageia o escritor Mário Cláudio e apresenta também uma intensa programação cultural e de animação.

Francisco Sá Carneiro: Aeroporto ganha voos à Galiza
O jornal ‘Voz de Galicia’, cujas vendas diárias fazem frente a jornais diários portugueses, escreveu que o Aeroporto do Porto está a ganhar rotas internacionais aos aeroportos galegos. Cita o que considera ser "o último grande golpe", ou seja, a ligação direta entre o Porto e Istambul, da Turkish Airlines. A partilha da notícia no meu Facebook fez com que alguns portugueses manifestassem receio por estarmos, ao fazê-lo, a acicatar rivalidades. Não terão reparado que a notícia vinha de Espanha e que mais não era do que o reconhecimento galego de que o ‘Francisco Sá Carneiro’ é o grande aeroporto da região. Há alturas em que não vale a pena tentarmos ser mais papistas do que o Papa e sermos nós a doer-nos de dores que não são nossas.
Ver comentários