Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Rui Moreira

STCP, Carris e serviço público

A saúde, a justiça, a cultura, a educação e... os transportes públicos são matérias em que o Estado tem obrigações.

Rui Moreira 3 de Julho de 2016 às 00:30
Quando se dirige a uma urgência e paga a taxa moderadora, crê que esse valor sustenta o serviço e amortiza a construção do hospital? Quando um tribunal julga um processo, espera que as taxas de justiça paguem o sistema judicial? Quando se senta na plateia do Teatro Nacional, acredita que o preço do bilhete amortize a construção do edifício e pague o custo do seu funcionamento? E quando deixa o seu filho na escola ou quando um polícia lhe passa à porta? A saúde, a justiça, a cultura, a educação, a segurança e… os transportes públicos são matérias em que o Estado tem obrigações. As taxas, os bilhetes, as multas não são, por isso, na sua essência, puras fontes de financiamento. São, quanto muito, formas de moderação dos serviços, numa lógica de utilizador/pagador. Contudo, esses pagamentos não bastam sem investimento público, seja realizado por autarquias ou pelo Estado.

Foi assim que se construíram e sustentaram hospitais, escolas, estradas e caminhos de ferro. Foi assim que se fez o país que temos. É assim também em toda a Europa, onde a componente de serviço público do transporte rodoviário urbano é sempre deficitária.

Bem sei que os últimos anos foram, e bem, de apelo a que o Estado emagrecesse, para tornar a sua dívida sustentável. Bem sei que em alguns serviços havia, e ainda haverá, má gestão e gastos supérfluos. Mas isso não pode levar-nos a pretender que, de repente, o Estado desapareça das suas obrigações e, como que por milagre, tudo se torne lucrativo.

Vem isto a propósito da entrega da gestão da Carris e da STCP às autarquias. É que, subitamente, um conjunto de céticos levanta a questão de "quem paga a fatura". Quem? O Estado, pois claro. Seja ele o local ou o central. Ou ambos, solidariamente. Como sempre pagou, em Lisboa, Porto ou em qualquer outra grande cidade europeia. Como sempre fará se quiser prestar um verdadeiro serviço público. Agora que assumem os transportes rodoviários em Lisboa e Porto, mais do que nunca, as Câmaras pugnarão para que haja qualidade no serviço, frequência, rede, frota ecológica e moderna. E procurarão que o serviço seja sustentável e, se possível, tenha o menor ou nenhum custo para o contribuinte. Mas se houver um preço a pagar – e se houver poderemos pagá-lo – então poderemos dizer que é para isso que servem as Contas à Moda do Porto. E é para isso que serve o Estado.

-----

Alternativas: Cultura - A batatinha e o picolé
O programa ‘Um Objeto e Seus Discursos por Semana’ é um dos mais estruturantes do pelouro da Cultura da Câmara Municipal do Porto. Trata-se de uma verdadeira revisita ao património material e imaterial da cidade, comentada por personalidades que o procuram interpretar e sobre ele relatarem histórias. No próximo dia 16, a Praia do Ourigo é o objeto da semana, que será comentado por César Freitas e João Teixeira Lopes, com moderação de Brogueira Dias.

Se no passado o pregão que anunciava a venda de batatinha e picolé fez história, hoje a praia continua a ser um dos locais de culto do verão portuense. Por isso, se está disposto a um dia diferente, traga a toalha e o bronzeador, e venha à praia connosco no próximo dia 16 de julho, às 18 horas.

Apoios Municipais: Programa para os sem-abrigo
O conceito de ‘sem- -abrigo’ é controverso, mas a verdade é que existem, no Porto como em todas as cidades, cidadãos que, por várias razões, vivem na rua ou em condições sub-humanas. Na sua maioria nem sequer têm condições para se candidatarem a uma habitação municipal ou pedir ajuda. O problema é universal e ninguém encontrou uma fórmula para o resolver. Esta semana, a Câmara anunciou uma estratégia para ajudar estas pessoas, o que mereceu aplausos no meu Facebook. É bom sentir que não há ninguém que não considere bem gastos os recursos que vamos aplicar, mas também é bom que a sociedade civil não esqueça as suas responsabilidades e continue a sua importante ajuda diária.
Ver comentários