Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
7

O tributo da corrupção

Sócrates e Salgado são os vértices da corrupção descrita no Marquês.
Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 8 de Abril de 2021 às 00:32

A Justiça portuguesa responde de forma eficaz e célere nos crimes de sangue e nos golpes de pilha-galinhas, mas nos crimes de colarinho branco revela uma lentidão confrangedora.

Em novembro de 2014 José Sócrates foi detido e só amanhã é que é conhecida a decisão do juiz de instrução do processo.

No banco dos réus da Operação Marquês está a elite que levou Portugal ao mais humilhante resgate externo da nossa história democrática.

Há um eixo dominante do poder corrupto em Portugal que está em causa neste processo. A aliança tácita entre a cúpula do poder político, personificada em José Sócrates, senhor todo-poderoso de uma maioria absoluta de 2005 a 2009 e o banqueiro Ricardo Espírito Santo Salgado, que mereceu o epíteto do dono disto tudo na primeira década deste século, contribuiu para o empobrecimento do País.

Na decisão que amanhã será anunciada por Ivo Rosa também está em causa a forma como a Justiça lida com os crimes de colarinho branco e a corrupção, que enriquecem os corruptos, mas que obrigam os cidadãos a pagar um pesado tributo.

Justiça Portugal José Sócrates crime lei e justiça justiça e direitos política
Ver comentários