Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
4

Não era suposto

A Europa está a sofrer com a guerra e o futuro não é animador.
Paulo João Santos 16 de Junho de 2022 às 00:32
São cada vez mais evidentes as divisões na UE sobre o destino a dar à guerra que se trava na Ucrânia. Se há unanimidade na condenação do crime - a invasão de um país soberano -, o mesmo não acontece quanto à forma de pôr termo à barbárie. Talvez tenha havido um erro de cálculo quanto aos efeitos das sanções nas economias europeias; talvez se esperasse que a Rússia não aguentasse tanto tempo de isolamento. A verdade é que a Europa está a sofrer com a guerra e as perspetivas são pouco animadoras. Não era suposto.

Ao contrário da presidente da Comissão Europeia, Von der Leyen, Macron colocou um travão nas pretensões ucranianas de adesão à UE, não se mostra grande adepto no aumento do potencial bélico no terreno, gerador de mais destruição e morte, e volta a avisar que não se pode olhar para a Europa sem ver a Rússia. O Presidente francês quer Zelensky a negociar com Putin uma saída para o conflito, oferecendo o chapéu da UE como garantia de segurança. É necessário começar a pensar na reconstrução da Ucrânia e no regresso do seu povo martirizado a casa, o que só é possível quando as armas se calarem.



Ver comentários
}