Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
9

Pela liberdade de imprensa

O ataque de piratas informáticos ao Expresso e à SIC configura um grave atentado à liberdade de imprensa.
Eduardo Dâmaso(eduardodamaso@sabado.cofina.pt) 3 de Janeiro de 2022 às 22:23
O ataque de piratas informáticos ao Expresso e à SIC configura um grave atentado à liberdade de imprensa que merece total repúdio por parte de quem defende a democracia.

É um crime que deve ser investigado e severamente reprimido. Penaliza duplamente os seus alvos e os consumidores de informação, que têm na liberdade de escolha um pilar essencial do exercício das liberdades democráticas. O projecto CM/CMTV e, na verdade, todos os títulos do grupo Cofina, sabem bem o que é ser atingido no âmago da sua existência e missão, que é trabalhar em prol dos leitores e da democracia.

Lutámos contra uma criminosa providência cautelar no caso Sócrates, decretada por um tribunal que, felizmente, o sistema judicial democrático desautorizou. Lutámos contra pressões inadmissíveis do poder político e económico.

Fomos alvo de vigilâncias ilegais e uma verdadeira caça às fontes dos jornalistas. Defendemos a preservação das redacções como um verdadeiro santuário ao serviço da verdade e da informação séria, rigorosa e independente. Não podemos pactuar com ataques de qualquer origem, particularmente criminosa, contra uma redacção, contra a liberdade de publicar.

Por isso, solidarizamo-nos com os nossos colegas do Expresso e da SIC, a quem endereçamos um voto de rápido restabelecimento da normalidade de funcionamento dos respectivos órgãos de informação. Pedindo à justiça uma rápida investigação e punição dos responsáveis por esta infame acção.
Expresso e da SIC Eduardo Dâmaso crime lei e justiça política liberdade de imprensa
Ver comentários