Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

Soares morreu, viva Portugal!

Depois de atingir o poder, Soares comportou-se como o rei que mereceu ser.

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 11 de Janeiro de 2017 às 00:32
Soares combateu trinta anos contra a ditadura do Estado Novo, trinta anos contra a hegemonia do PCP, primeiro na oposição clandestina, e depois no golpe para tornar Portugal um enorme porta-aviões soviético.

As armas de Soares sempre foram as mesmas. A imensa coragem, intelectual e física, a carismática forma de falar ao povo e às elites. O desassombro com que encarava os impossíveis.

Soares enquadrava todas as questões que o combate político lhe lançava, com um punhado de valores simples: Liberdade, Democracia, Estado de Direito, Tolerância, Socialismo. Poder.

Sim, Mário Soares bateu-se, com o risco da própria vida, por estes valores fundacionais de qualquer regime democrático.

Sim, depois de atingir o poder, de espalhar as suas peças pelo aparelho do Estado – até Macau –, pelas mais fortes empresas privadas, pelas redações de jornais e televisões, Soares comportou-se como o rei que mereceu ser.

Devemos imenso a Mário Soares, sem dúvida.

Mas, se me é permitida nota pessoal, não escondo a amargura de saber que o único político capaz de me atirar para a rua em multidão, nos combates pelos valores que o vi defender, depois, fez desses superiores princípios uma leitura instrumental e amiguista.

Do caso Emaudio ao processo Marquês.
Estado Novo PCP Portugal Mário Soares Macau política morte
Ver comentários
}