Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Auxiliar de ação médica recorda a André Ventura a doutrina católica do perdão durante arruada do Chega

Mulher relembrou uma declaração do líder do Chega em que disse que "não faria mal" cortar a mão a alguns ladrões.
Lusa 25 de Janeiro de 2022 às 18:47
A carregar o vídeo ...
Auxiliar de ação médica recorda a André Ventura a doutrina católica do perdão durante arruada do Chega
A arruada do Chega em Portimão arrancou com uma interpelação de Manuela, auxiliar de ação médica e cristã, que recordou a André Ventura a doutrina católica do perdão.

Manuela, que não quis dar o último nome, com 't-shirt' e bandeira do Chega, interpelou André Ventura logo à chegada, para o relembrar das suas declarações nos debates das presidenciais de 2021, em que disse que "não faria mal" cortar a mão a alguns ladrões.

"Fiquei muito triste" quando Ventura disse isso, notou Manuela, dirigindo-se ao presidente do Chega - de católica para católico -, recordando uma parábola da Bíblia em que Jesus Cristo cura a orelha de um homem que o ia capturar, e que tinha sido cortada pela espada do discípulo Pedro.

"Jesus Cristo deu-nos duas vias -- a da direita e a da esquerda -- o homem é livre para poder decidir", frisou, fazendo alusão ao bem e ao mal.

Na resposta, André Ventura disse que "há uma bandidagem em Portugal que tem que ter mão pesada da justiça", frisando que a ideia de cortar a mão "é uma imagem".

"Não acha que essas pessoas são recuperáveis?", questionou Manuela.

"Imaginem que violam a sua filha ou a sua mãe e que a matam depois. Acha justo que ao fim de sete anos [a moldura penal para homicídio qualificado é entre 12 e 25 anos] estejam cá fora? Nós não achamos e por isso é que defendemos a prisão perpétua revista de 25 em 25 anos", disse Ventura, despedindo-se rapidamente de Manuela e arrancando a arruada em direção à Praça 1.º de Maio.

Aos jornalistas, Manuela, que não ficou satisfeita com a resposta do líder do Chega, referiu que tinha a 't-shirt' e a bandeira do partido porque lhe apetecia e afirmou que não vai votar no Chega.

Antes, tinha encetado um diálogo com o presidente da distrital de Faro do Chega, João Graça, que começou por falar da saúde na região, mostrando descrença de que aquele partido consiga cumprir as promessas.

André Ventura Manuela Chega Portimão Jesus Cristo política partidos e movimentos legislativas
Ver comentários