Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

PS alerta que votar contra OE2022 "significa que o salário mínimo não aumenta 40 euros este ano"

Bloco de Esquerda considera que o Governo "não está disponível" para negociar o Orçamento.
Correio da Manhã 26 de Outubro de 2021 às 12:19
Assembleia da República
Assembleia da República

A Assembleia da República vota esyta quarta-feira o Orçamento do Estado na generalidade. As negociações continuam esta terça-feira e partidos como o BE e o PCP permanecem com intenções de votar contra o documento apresentado pelo Governo.

Em debate no Parlamento, Ana Catarina Mendes considera que "uma negociação não é uma cedência" e que "votar contra o Orçamento significa que o salário mínimo não aumenta 40 euros este ano".

Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, acredita que o Governo "ainda está a tempo" de mudar a negociação, mas alerta que o executivo "não parece estar disponível" para tal.

O deputado disse ainda que "não há uma aproximação séria por parte do Governo, porque existe uma maior vontade de uma crise política". 

Ana Catarina Mendes, deputada do Partido Socialista, rebateu as acusações do Bloco avisando que "tudo o que os portugueses não precisam é de uma crise política".

No debate, João Oliveira, deputado do PCP, mostrou que o seu partido não está tão disponível a negociar como o BE explicando que "não acredita em respostas que durante meses não foram possíveis de obter"

O deputado comunista salienta ainda que o PCP foi "até ao limite do esforço por soluções, mas não é possível dar respostas que o Governo não quer dar".

Ainda assim, João Oliveira considera que "está nas mãos do Governo" dar as tais respostas que até agora ainda não surgiram e alerta que a discussão do Orçamento não pode ser transformada na "pressão de um qualquer partido".

A socialista Ana Catarina Mendes considera que o Orçamento apresenta "o maior investimento público para criar riqueza" e para que "os direitos dos cidadãos não sejam cortados".

A deputada do PS conclui dizendo que o documento apresentado pelo Governo e em discussão "merece ir para a especialidade para depois ser melhorado", visto que, "reforça o Serviço Nacional de Saúde e a escola pública" e tem uma "resposta forte ano combate à pobreza infantil".

Assembleia da República política Orçamento do Estado
Ver comentários