Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Costa alerta contra influência da extrema-direita junto de partidos tradicionais

Posições foram transmitidas por António Costa num encontro sobre o tema "Continuar a avançar em igualdade".
Lusa 17 de Janeiro de 2022 às 12:39
A carregar o vídeo ...
Costa alerta contra influência da extrema-direita junto de partidos tradicionais
O secretário-geral do PS considerou esta segunda-feira que a diversidade existente entre os membros do seu Governo foi recebida com normalidade pela sociedade portuguesa, mas alertou para a crescente influência da extrema-direita junto de partidos tradicionais.

Estas posições foram transmitidas por António Costa num encontro sobre o tema "Continuar a avançar em igualdade", aberto pela presidente do Departamento Nacional das Mulheres Socialistas, Elza Pais, e pela dirigente do PS Susana Ramos, no Teatro Thalia, em Lisboa.

"Eu não compus o Governo para que o Governo fosse diverso. Agora, de facto, compus o Governo garantindo que a diversidade não era um fator de exclusão. Praticamente não se deu por isso, mas a verdade é que, pela primeira vez na nossa História, tivemos uma ministra negra", declarou o líder socialista.

António Costa disse depois estar quase certo de que o seu executivo terá sido também o primeiro com uma pessoa de etnia cigana e com uma pessoa invisual.

"Seguramente não foi a primeira vez neste Governo, mas tivemos pessoas que se integram no universo LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero). O facto de nada disto ter sido fator de exclusão é muito relevante. Tudo isto aconteceu sem que a sociedade praticamente tivesse dado conta disso", observou o primeiro-ministro.

Na perspetiva de António Costa, isto "significa que a cultura de exclusão que alguns querem alimentar já não tem efetivamente adesão na sociedade portuguesa".

"Nenhum destes fatores de diversidade gerou qualquer reação negativa na sociedade portuguesa. Pelo contrário, as pessoas acham normal que assim seja e até estranham que isso possa ser sublinhado", declarou.

Logo no início do seu discurso, com cerca de 30 minutos, António Costa alertou para a crescente presença de posições "que têm na sua raiz um desrespeito pelo valor fundamental da dignidade da pessoa humana e da igualdade".

"Esses movimentos de extrema-direita, o maior perigo que representam é quando conseguem condicionar os partidos tradicionais, os chamados partidos do sistema", afirmou, aqui numa primeira alusão indireta ao PSD.

Esses partidos, de acordo com o secretário-geral do PS, quando "começam a mitigar e a normalizar as propostas com uma raiz profundamente não igualitária e de desrespeito da dignidade da pessoa humana, então começa-se a abrir uma brecha que não se sabe se irá desenvolver", apontou.

António Costa forneceu depois os seguintes exemplos: "Quando se começa a achar que a prisão perpétua pode não ser bem uma prisão perpétua, é o primeiro passo para começar a achar que o racismo não é bem racismo, que a xenofobia não é bem xenofobia e que o reconhecimento da desigualdade de género não é bem o reconhecimento da desigualdade de género".

 

 

PS Governo António Costa política partidos e movimentos governo (sistema)
Ver comentários