Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Costa evoca Camões para justificar Conferência sobre o Futuro da Europa

"Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", atirou o primeiro-ministro português.
Lusa 9 de Maio de 2021 às 15:24
António Costa
António Costa FOTO: Lusa
O primeiro-ministro, António Costa, recorreu este domingo à primeira estrofe do poema de Luís de Camões "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" para sublinhar a necessidade da Conferência sobre o Futuro da Europa, na cerimónia oficial de inauguração deste fórum.

"Porquê uma Conferência sobre o Futuro da Europa? A resposta, por muito estranho que vos possa parecer, foi-nos dada por um dos grandes poetas europeus do século XVI, Luís de Camões, logo na primeira estrofe de um dos seus poemas", começou por dizer na sua intervenção na cerimónia oficial de inauguração da conferência, celebrada no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, França.

Intervindo -- em português, francês e inglês - na sessão solene enquanto copresidente da conferência, na condição de presidente em exercício do Conselho da UE, António Costa recitou a primeira estrofe do poema de Camões, começando por se concentrar no primeiro verso -- "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" -, para sublinhar as diferenças entre o que é hoje a União Europeia e o projeto inicial, lançado há 71 anos, em 09 de maio de 1950, com a declaração de Robert Schuman, razão de o Dia da Europa ser hoje celebrado.

Luís de Camões António Costa Europa Futuro política tratados e organizações internacionais-INATIVO
Ver comentários