Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

António Costa falha objetivo na Cimeira do Porto do salário mínimo justo

Apesar da vontade nacional, acordo só deve ser atingido na presidência francesa de 2022.
Wilson Ledo 9 de Maio de 2021 às 01:30
Pavilhão da Alfândega
Merckel esteve em presença virtual para anunciar viagens livres no verão
Pavilhão da Alfândega
Merckel esteve em presença virtual para anunciar viagens livres no verão
Pavilhão da Alfândega
Merckel esteve em presença virtual para anunciar viagens livres no verão

Costa classificou como "um sucesso" a cimeira do Porto, mas no tema do salário mínimo europeu não conseguiu o consenso dos 27 estados-membros. "Estamos na fase do trabalho discreto, vamos ver se temos bons resultados para partilhar", afirmou o primeiro-ministro, que disse que a grande prioridade esteve na preparação da bazuca.


Apesar de Bruxelas querer um consenso até junho nesta matéria, está já a trabalhar num plano alternativo. O comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, admitiu que "se não for possível ter esse acordo durante a presidência portuguesa, isso não quer dizer que seja o fim" do processo.

O cenário acabou reforçado pelo presidente francês, Emmanuel Macron, ao dizer que a questão só deverá estar concluída em 2022, quando França assume a presidência do Conselho da União Europeia.

O objetivo de Bruxelas não passa por uniformizar os salários mínimos a nível europeu mas antes por definir regras que garantam que os valores pagos nos vários países permitem condições de vida "decentes".

Uma das grandes novidades veio de uma Ângela Merckel virtual que revelou que "os cidadãos europeus poderão viajar no verão, caso o número de infeções continue a diminuir", e apontou a descida de casos em Portugal.

Saiba Mais
100 
milhões de europeus estavam em situação de risco de pobreza ainda antes da pandemia. Objetivo europeu passa por tirar 15 milhões deste estado até 2030.

Mais investimento

Apesar de elogiar os avanços na Declaração do Porto, a Confederação Europeia de Sindicatos insiste num "investimento massivo" na criação de empregos.

Encontro criticado em manifestação
Milhares de pessoas manifestaram-se ontem no Porto, contestando as metas da Cimeira Social. A líder da CGTP, Isabel Camarinha, insistiu que "não está a ser dada a resposta necessária" para os trabalhadores. Ao protesto juntaram-se ainda o PCP e o BE. "Tivemos uma série de boas intenções sem uma única medida", afirmou Catarina Martins. Já Jerónimo de Sousa insistiu que "a voz da gente do mundo do trabalho não teve eco" na reunião.

Acordo comercial avança com a Índia
A Índia e a União Europeia acordaram voltar a negociar um tratado comercial. O anúncio foi feito ontem pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. As negociações bilaterais estavam bloqueadas desde 2013.


Ver comentários