Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Governo aprova criação do Coordenador Nacional de Garantia para a Infância

Ao novo cargo ficam associados "competências e estatuto remuneratório próprios", de acordo com o comunicado do Conselho de Ministros.
Lusa 23 de Setembro de 2021 às 18:05
Crianças a brincar
Crianças a brincar FOTO: Getty Images
O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira a criação da figura de Coordenador Nacional de Garantia para a Infância, na sequência da recomendação europeia nesse sentido adotada durante a última presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

"O Coordenador Nacional terá como responsabilidades, entre outras, a elaboração e apresentação de um plano de ação nacional para implementação da Garantia para a Infância, que abranja o período até 2030, bem como a realização de um diagnóstico das crianças vulneráveis em Portugal, tendo em conta as circunstâncias regionais e locais", adianta o comunicado.

A resolução do Conselho de Ministros dá cumprimento à recomendação para uma Garantia Europeia para a Infância, aprovada em junho, e que pretende "garantir igualdade de acesso das crianças em situação vulnerável a serviços essenciais, concretizando o princípio 11.º do Pilar Europeu dos Direitos Sociais e o seu Plano de Ação".

Ao novo cargo ficam associados "competências e estatuto remuneratório próprios", de acordo com o comunicado do Conselho de Ministros desta quinta-feira.

Segundo dados de Bruxelas, em 2019, quase 18 milhões de crianças na UE (22,2%) viviam em agregados familiares em risco de pobreza ou exclusão social.

Esta situação conduz a um ciclo de desigualdade intergeracional, com efeitos profundos e de longo prazo nas crianças.

A Garantia Europeia para a Infância visa quebrar este ciclo e promover a igualdade de oportunidades, garantindo às crianças necessitadas (com menos de 18 anos e em risco de pobreza ou exclusão social) o acesso a um conjunto de serviços essenciais.

Pretende-se, por exemplo, que os Estados-membros garantam o acesso efetivo e gratuito à educação e atividades escolares, cuidados na infância, pelo menos uma refeição saudável em cada dia escolar e cuidados de saúde, bem como o acesso efetivo a uma alimentação saudável e habitação adequada.

A Garantia Europeia para a Infância é o primeiro instrumento político ao nível da UE contra a exclusão na infância.

O plano de ação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, reforçado na Cimeira Social do Porto, que decorreu em maio, estabeleceu como objetivo retirar cinco milhões de crianças de uma situação de risco de pobreza ou exclusão social até 2030.

Ver comentários