Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Marcelo considera que apesar de tudo Rússia "não quis ser muito drástica" com Portugal

Chefe de Estado notou que o país foi dos últimos a ser atingido pela resposta russa.
Lusa 20 de Maio de 2022 às 10:57
Presidente da República diz que é preciso uma definição do TC sobre a constitucionalidade da lei
Presidente da República diz que é preciso uma definição do TC sobre a constitucionalidade da lei FOTO: RODRIGO ANTUNES/LUSA
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta sexta-feira, num comentário à expulsão de cinco funcionários da embaixada portuguesa em Moscovo, que apesar de tudo a Rússia não quis "ser muito drástica" com Portugal.

Questionado sobre este assunto durante a sua visita a Timor-Leste, em Díli, tendo ao seu lado o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, o chefe de Estado notou que "Portugal foi dos últimos países a ser atingido pela resposta russa, e aquém da paridade, com mais um ou outro caso na Europa".

"Não sei se não terá tido influência o facto de o secretário-geral das Nações Unidas [António Guterres] ser português", acrescentou o Presidente da República, considerando que "a Rússia, embora sabendo que Portugal está num lado, que não é o seu, quer apesar de tudo não ser muito drástica no tratamento de Portugal".

Marcelo Rebelo de Sousa Rússia Portugal Moscovo política diplomacia
Ver comentários
}