Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Marcelo pede "passos de efetiva justiça e igualdade" para evitar retrocessos democráticos

Chefe de Estado discursou na Assembleia da República, na sessão solene evocativa da aprovação da Constituição de 1822.
Lusa 23 de Setembro de 2022 às 12:07
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: TIAGO PETINGA/lusa
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou esta sexta-feira que são necessários "passos de efetiva justiça e igualdade" por parte dos protagonistas políticos para evitar retrocessos democráticos.

"Ou a realidade do dia a dia dos cidadãos, das pessoas, é feita de passos de progresso e de justiça, mesmo se com altos e baixos em especial em tempos de pandemia, de guerras ou de crises económicas, passos de efetiva justiça e igualdade, ou igualdade e democracia não avançam, recuam", afirmou.

O chefe de Estado discursava na Assembleia da República, na sessão solene evocativa da aprovação da Constituição de 1822.

"Ou os poderes públicos, mais os principais protagonistas políticos, económicos e sociais, dão um constante exemplo de vida, de humildade, de proximidade, de responsabilidade, de solidariedade, ou liberdade e democracia não avançam, recuam", alertou.

E considerou que "esta é a grande lição dos 200 anos do constitucionalismo em Portugal", salientando que "mais do que celebrar por celebrar o que se viveu há dois séculos, o que efetivamente cumpre é não repetir os erros, as omissões, os atrasos, os retrocessos do passado e reter neles aquilo que foi portador de esperança e de futuro".

"Queremos mais e melhor liberdade e democracia? Então que todos nós, a começar em todos nós eleitos do povo sem exceção, tentemos fazer de cada dia um dia de avanço, um dia de inspiração pessoal e nacional, para que o povo nosso eleitor nunca caia na tentação de preferir a ditadura à democracia, o autoritarismo à liberdade, os messianismos ou os sebastianismos à livre e soberana vontade popular", defendeu.

A intervenção do Presidente da República foi aplaudida de pé pelas bancadas do PS e PSD enquanto as restantes aplaudiram sentadas, à exceção da do Chega.

Marcelo Rebelo de Sousa política questões sociais parlamento política (geral) democracia
Ver comentários