Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Marcelo promulga revisão de preços nas empreitadas de obras públicas

Conselho de Ministros aprovou a redação final do decreto-lei na passada quinta-feira.
Lusa 17 de Maio de 2022 às 22:50
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa FOTO: Lusa
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta terça-feira a instituição de um regime excecional e temporário no âmbito do aumento dos preços com impacto em contratos públicos, especialmente nas empreitadas de obras públicas.

"Compreendendo as razões críticas da necessidade destas medidas excecionais e transitórias na contratação pública, a vigorar apenas até à superação da situação internacional e nacional vivida, o Presidente da República sublinha a necessidade, por maioria de razão, de um escrutínio reforçado das decisões que sejam tomadas ao abrigo do presente diploma, sendo nessa convicção que promulgou o decreto do Governo que estabelece um regime excecional e temporário no âmbito do aumento dos preços com impacto em contratos públicos", lê-se numa nota publicada no 'site' da Presidência.

O Conselho de Ministros aprovou a redação final do decreto-lei na passada quinta-feira.

"O diploma surge como resposta ao aumento excecional dos custos com matérias-primas, materiais, mão-de-obra e equipamentos de apoio, com impacto em contratos públicos, especialmente nos contratos de empreitadas de obras públicas que venham a ser celebrados ou já em execução", pode ler-se no comunicado do Conselho de Ministros.

De acordo com o documento, "o Governo cria, assim, uma resposta que procura mitigar estes efeitos, conciliando a celeridade procedimental exigida com a defesa dos interesses do Estado e a rigorosa transparência nos gastos públicos".

O diploma tinha sido aprovado na generalidade no Conselho de Ministros de há duas semanas e a medida foi anunciada pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que precisou que o regime terá uma vigência até ao final do ano.

"Vivemos hoje uma situação excecional, no que diz respeito à pressão inflacionista, temos assistido a um aumento muito acentuado do preço das matérias-primas, temos mesmo algumas que no prazo de um ano quase duplicaram o valor", referiu o ministro no final da reunião do Conselho de Ministros.

Perante a "grande pressão e constrangimento" que esta situação está a causar nas empreitadas públicas, houve "necessidade de criar um regime excecional que nos permita fazer a revisão de preços a estes contratos, para garantir que não temos nenhuma interrupção nem colapso no processo de investimento que está neste momento em curso em Portugal", afirmou o governante.

Após a aprovação na generalidade, o decreto-lei foi sujeito a consulta das regiões autónomas, da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e do setor da construção.

Pedro Nuno Santos disse ainda que, apesar de este regime excecional ser dirigido às empreitadas públicas, poderá, de forma facultativa, ser aplicado a obras particulares.

Salientando que o objetivo deste regime excecional e temporário são as empreitadas de obras públicas e os contratos públicos de aquisição de bens e serviços, que são onde se verifica uma "maior rigidez em termos de preço", Pedro Nuno Santos esclareceu que o alargamento facultativo a obras particulares é no sentido de que este regime terá "um método de revisão de preços que pode ser adotado nas relação entre particulares", ou seja, poderá ser usado como "guião para uma possível relação de preços entre dois particulares".

Sem entrar em valores ou pormenores, o ministro explicou na altura que o método visará situações em que um "determinado material, que atinge um peso numa obra superior a x% e cujo preço sobe mais do que y%, pode dar lugar a que o empreiteiro possa apresentar ao dono de obra, por exemplo a IP, uma revisão de preço".

Nesta situação, "a IP analisa a proposta, pode aceitá-la, rejeitá-la ou apresentar uma contraproposta", sendo que se, "entretanto, as duas partes chegarem a acordo, haverá uma revisão do preço", o que "permitirá ao empreiteiro receber mais para fazer face ao custo adicional que tem".

Salientando que o Código dos Contratos Públicos já contempla a revisão do preço, o ministro referiu que o que este regime faz é adaptá-la à situação excecional atual.

"Todos os mecanismos de prova de alteração no preço são os que já estão hoje previstos na lei, sobre esse aspeto este diploma nada muda", disse, precisando que o que agora é criado "é um conjunto de regras que permitam de forma mais rápida e ajustada à realidade alterar os preços dos contratos", porque a alternativa seria o bloqueio dos investimentos em curso, o que "seria um preço insuportável porque precisamos que o investimento aconteça e porque temos prazos a cumprir em termos de fundos europeus".

Ver comentários
}