Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Montenegro e Moreira da Silva vão a votos após campanha morna e sem debates

Candidatos à presidência do PSD têm procurado marcar diferenças a partir do percurso político e características pessoais.
Lusa 26 de Maio de 2022 às 11:11
PSD
PSD
Luís Montenegro e Jorge Moreira da Silva disputam no sábado a presidência do PSD, na campanha mais morna dos sociais-democratas dos últimos anos, sem debates nem grandes polémicas entre os candidatos e com um horizonte de oposição até 2026.

Jorge Moreira da Silva tem 51 anos, é engenheiro eletrotécnico, e concorre pela primeira vez à presidência do PSD, partido pelo qual já foi deputado, eurodeputado, primeiro vice-presidente e ministro do Ambiente no Governo liderado por Pedro Passos Coelho, de quem foi 'vice' durante seis anos.

Luís Montenegro tem 49 anos, é advogado, e concorre pela segunda vez à liderança do partido - depois de ter disputado e perdido para o atual presidente Rui Rio as diretas de 2020, numa inédita segunda volta no PSD - e notabilizou-se como rosto do 'passismo' na liderança da bancada parlamentar nos anos da 'troika'.

Os dois candidatos têm procurado marcar diferenças a partir do seu percurso político e características pessoais: Montenegro salienta ter estado no centro do combate político nesses anos conturbados da assistência financeira e Jorge Moreira da Silva reclama a capacidade de "entregar resultados" nas várias funções nacionais e internacionais que já desempenhou.

Ambos apontam à vitória nas várias eleições até às legislativas de 2026 - com um especial foco para as europeias de 2024, o primeiro grande teste do próximo presidente antes de se sujeitar novamente a eleições internas -, mas o posicionamento do partido e as 'linhas vermelhas' para futuras governações têm sido fatores de diferenciamento.

Luís Montenegro definiu o PSD como o partido incumbente e a casa-mãe do espaço não socialista, o que tem sido criticado por Moreira da Silva, que contrapõe que na social-democracia não cabem "racistas, xenófobos e populistas".

A relação com o partido Chega, em particular, distingue os dois candidatos: o antigo vice-presidente do PSD afasta qualquer tipo de diálogo com esta força política, enquanto o antigo líder parlamentar diz que esse debate é "extemporâneo" e avisa que, sem descaracterizar o PSD ou ultrapassar "linhas nucleares", não será "cúmplice da perpetuação do PS no poder".

Mesmo sem frentes a frentes entre os dois - em que insistiu Moreira da Silva, Montenegro alegou não ter agenda na reta final, depois de o adversário ter contraído covid-19 na penúltima semana de campanha -, os candidatos têm lançado 'farpas' mútuas nas apresentações com militantes ou nas entrevistas à comunicação social.

Logo no seu discurso de apresentação, em 20 de abril, Moreira da Silva fez questão de deixar vários recados a Montenegro, dizendo, por exemplo, que nunca perdeu um minuto "em guerrilha ou conspiração", que não vive "a política como um vício", não anda "de calculadora na mão" e não se apresenta com "`soundbytes´ ou abordagens superficiais", sugerindo que estaria mais bem preparado para ser primeiro-ministro e invocando por várias vezes os cargos nacionais e internacionais que já desempenhou.

Montenegro foi dizendo que, para ser líder do PSD, não basta "ler e debitar relatórios", e numa sessão em Lisboa, fez questão de marcar diferenças - "não padeço de arrogância intelectual ou política" - e responder às críticas de que teria poucas ideias para apresentar, contrapondo que na outra candidatura "fica tudo na biodiversidade política que não chega a materializar-se numa mensagem que possa ser entendível".

Recusou igualmente a ideia de qualquer impreparação por não ter desempenhado cargos executivos, reclamando "intervenção direta" em diplomas em todas as áreas governativas, e a participação em muitas discussões orçamentais e até em processos de revisão constitucional, já que foi deputado durante 16 anos e líder parlamentar por seis.

Nos apoios, Luís Montenegro conta com a grande maioria dos presidentes de distritais - incluindo das quatro maiores estruturas Porto, Braga, Lisboa e Aveiro -, e na Madeira conseguiu ter o atual presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, como mandatário nacional, e o apoio algo inesperado do seu antecessor, Alberto João Jardim, que no passado lhe tinha feito críticas violentas.

Joaquim Miranda Sarmento, ainda membro da direção de Rui Rio, é o coordenador da moção do antigo líder parlamentar, e o antigo eurodeputado Carlos Coelho o seu diretor de campanha, tendo ainda ao seu lado nomes como a da antiga presidente da Assembleia da República Assunção Esteves ou a 'histórica' militante Conceição Monteiro.

Moreira da Silva conseguiu o apoio de dois antigos presidentes do PSD - Francisco Pinto Balsemão, que é o seu mandatário nacional, e Manuela Ferreira Leite - e do antigo ministro Miguel Poiares Maduro, que coordenou nas anteriores diretas a moção de Paulo Rangel.

Conta ainda com destacados apoiantes de Rui Rio como Carlos Eduardo Reis, que é o diretor de campanha do antigo vice-presidente do PSD, ou de João Montenegro, que já foi 'operacional' de Pedro Passos Coelho. De forma mais discreta, já que decidiu não tornar público o seu apoio, o ainda vice-presidente do PSD Salvador Malheiro também está do lado de Moreira da Silva.

Desta vez, nem Paulo Rangel, nem o ex-candidato à liderança Miguel Pinto Luz, nem o atual presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, irão manifestar publicamente apoio a qualquer dos candidatos.

Para o futuro, ambos prometem unir o partido e Luís Montenegro, em entrevista à Antena 1, até revelou existir um compromisso entre os dois candidatos para que, vença quem vencer, o clima de campanha termine no sábado, dia em que se disputam as eleições diretas, com um universo eleitoral abaixo dos 45.000 militantes (menos do que nas últimas).

Luís Montenegro Jorge Moreira da Silva PSD partidos e movimentos eleições
Ver comentários
}