Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

PCP diz ser "inaceitável" obrigar trabalhadores a apresentar certificado de vacinação

Jerónimo de Sousa refere que a pandemia "está a ser aproveitada por setores patronais" para promover "a discriminação" e "a desigualdade".
Lusa 24 de Agosto de 2021 às 13:34
Jerónimo de Sousa.
Jerónimo de Sousa. FOTO: Direitos Reservados
O secretário-geral comunista classificou esta terça-feira como "inaceitável" que as empresas obriguem os trabalhadores a apresentar um certificado de vacinação contra a covid-19, sustentando que a pandemia está a ser aproveitada para alimentar situações de discriminação.

Interpelado pelos jornalistas à margem de uma visita à Quinta da Atalaia (Seixal), onde estão a decorrer os preparativos para a 'rentrée' do partido, Jerónimo de Sousa considerou que "é inaceitável" que as entidades patronais obriguem os funcionários a apresentar um comprovativo de vacinação.

E colocou uma "questão importante": "Saber se por razões sanitárias criámos um 'apartheid' no nosso país, em que, por exemplo, o direito ao trabalho, o direito ao emprego, está questionado por essas entidades patronais, que consideram que um trabalhador ou uma trabalhadora que não tenha esse certificado está proibido de procurar emprego".

O membro do Comité Central recordou que, no quadro da Constituição, "o princípio do direito ao trabalho e do direito ao emprego são direitos invioláveis" e "são direitos fundamentais que as pessoas têm" em Portugal.

Para Jerónimo de Sousa, estes relatos demonstram que "esta questão da epidemia está a ser aproveitada por setores patronais" para promover "a discriminação" e "a desigualdade" no que diz respeito ao direito ao trabalho.

"Quero reafirmar com veemência o caráter inaceitável dessa medida, de que quem não tem esse certificado não pode procurar emprego, não pode resolver os problemas da sua vida", concluiu.

Em consonância com o que foi dito pelo membro do Comité Central comunista Alexandre Araújo na última semana, Jerónimo de Sousa disse que o partido ainda está aguardar por um parecer da Direção-Geral da Saúde (DGS) em relação ao plano de contingência feito para a Festa do Avante!.

Apesar de não poder fazer previsões sobre o alívio de algumas restrições implementadas na edição do ano passado, o secretário-geral disse que "todos os indicadores demonstram que há um alívio em relação às medidas" anteriormente decretadas pelo Governo e "a situação alterou-se para melhor".

Por isso, o dirigente do PCP tem a convicção de que "vai ser bom estar nesta festa", já que, advogou, estão garantidas as condições para que decorra no cumprimento das regras sanitárias e do "exercício da liberdade".

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Ver comentários