Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Prazo para oficialização de candidaturas às presidenciais termina às 16h00 desta quinta-feira

Candidatos precisam de um mínimo de 7.500 assinaturas de eleitores.
Lusa 24 de Dezembro de 2020 às 07:40
Urna
Urna
O prazo-limite para a oficialização das candidaturas a Presidente da República termina hoje, estando a secretaria-geral do Tribunal Constitucional, em Lisboa, aberta até às 16:00, apesar da tolerância de ponto.

A formalização das candidaturas às presidenciais de 24 de janeiro obriga à entrega de um mínimo de 7.500 assinaturas de eleitores.

Os oito concorrentes já anunciados são o atual chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, a ex-eurodeputada do PS Ana Gomes, o eurodeputado do PCP João Ferreira, a deputada ao Parlamento Europeu do BE Marisa Matias, o presidente do Chega, André Ventura, o dirigente da Iniciativa Liberal Tiago Mayan Gonçalves, o empresário Paulo Alves e o ex-autarca Vitorino Silva ("Tino de Rans").

Marcelo Rebelo de Sousa, Ana Gomes, Marisa Matias, João Ferreira, André Ventura e Vitorino Silva já entregaram as assinaturas no Tribunal Constitucional e Tiago Mayan Gonçalves anunciou que o fará hoje à tarde.

Há cinco anos, registou-se um recorde absoluto de 10 candidaturas admitidas pelos juízes do Palácio Ratton: o empresário Henrique Neto, o universitário Sampaio da Nóvoa, o médico Cândido Ferreira, o dirigente comunista Edgar Silva, o psicólogo Jorge Sequeira, "Tino de Rans", Marisa Matias, a antiga governante socialista Maria de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa e o ex-autarca Paulo Morais.

Na segunda-feira, 28 de dezembro, o Tribunal Constitucional vai proceder ao "sorteio do número de ordem" das candidaturas entregues até ao momento, pelas 11:30.

As eleições para o Palácio de Belém estão marcadas para 24 de janeiro de 2021, mas é possível votar antecipadamente entre 12 e 20 de janeiro.

Esta possibilidade de voto antecipado é destinada a pessoas em confinamento domiciliário devido à pandemia de covid-19, emigrantes ou trabalhadores deslocados no estrangeiro e outros cidadãos por todo o país afastados da sua assembleia de voto.

Ver comentários