Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Como vota quem está em isolamento obrigatório? Saiba aqui como o fazer

Ministro da Administração Interna explicou processo.
Correio da Manhã 10 de Janeiro de 2021 às 19:16
Eduardo Cabrita
Eduardo Cabrita FOTO: Lusa
O ministro da Administração Interna anunciou este domingo o voto antecipado nas eleições presidenciais a partir de dia 17 alargado a todos os municípios e esclareceu como será feita a organização dos votos de eleitores que estejam em confinamento obrigatório. 

Eduardo Cabrita garante que os eleitores confinados poderão registar-se entre dia 14 e 17 para o exercício de voto antecipado. Fa-lo-ão a partir de casa. 

Há um mecanismo criado em que equipas das câmaras municipais recolherão o boletim de voto destes eleitores, revelou o ministro. 

As forças de segurança, explicou, vão também apoiar nesta logística. 

Eduardo Cabrita anunciou que, até ao momento, mais de 20 mil cidadãos já se registaram em votoantecipado.mai.gov.pt.

Idosos também poderão votar em isolamento
Os idosos que estão em confinados em lares por causa da pandemia deverão poder exercer o direito de voto antecipadamente, afirmou hoje o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

"Tudo está a ser feito nesse sentido para que as pessoas que, por razões de saúde pública, estão internadas em estruturas residenciais para idosos, os lares para idosos, na designação mais comum, sejam equiparados a cidadãos em situação de isolamento profilático", disse Eduardo Cabrita, em conferência de imprensa, nas instalações do Ministério da Administração Interna (MAI), em Lisboa.

Os idosos confinados em lares deverão poder fazer a inscrição para o voto antecipado entre 14 e 17 de janeiro - à semelhança dos cidadãos que estão em isolamento profilático obrigatório decretado pelas autoridades sanitárias -, podendo exercer este direito entre os dias 19 e 20.

Os votos serão recolhidos por "equipas organizadas pelas autarquias" com o apoio da Administração Eleitoral e também das forças de segurança, que se deslocarão aos lares, prosseguiu o ministro.

Eduardo Cabrita política eleições eleições presidenciais
Ver comentários