Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Rio quer que "o povo português castigue" PS e Governo pela forma de fazer política e promessas

"Fiquem também orgulhosos de mim, do presidente do PSD" por não "prometer aquilo que é impossível", apelou.
Lusa 16 de Setembro de 2021 às 21:31
Rui Rio, líder do PSD
Rui Rio, líder do PSD FOTO: Lusa
O presidente do PSD pediu, esta quinta-feira, ao povo português que "castigue" a forma de fazer política do PS e do Governo ao prometer "o que não pode cumprir", e ao partido que tenha orgulho em si por escolher "outro caminho".

Rui Rio falava em Algés numa ação de campanha do candidato a Câmara Municipal de Oeiras, Alexandre Poço, e reiterou as críticas ao primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, por se ter comprometido em desbloquear os problemas que têm impedido a construção de uma nova maternidade em Coimbra nas próximas três semanas.

"Espero que todo o povo português olhe para a forma como o PS e, em particular o Governo, está a fazer política e promessas que sabe que não vai cumprir e que os castiguem e digam que não é assim que se ganham eleições e que o caminho é outro", apelou, dizendo que "não queria acreditar" quando ouviu António Costa na quarta-feira num comício em Coimbra.

E deixou outro pedido: "Fiquem também orgulhosos de mim, do presidente do PSD" por não "prometer aquilo que é impossível", apelou.

"Espero que percebam que, se criticam muitas vezes os políticos, agora demonstrem pelo voto que vale a pena ser sério, e vale a pena ser honesto e comprometermo-nos só com aquilo que podemos fazer", apelou.

O presidente do PSD voltou ainda a um tema recorrente da sua campanha - o projeto dos sociais-democratas para transferir o Tribunal Constitucional de Lisboa para Coimbra - para manifestar a sua alegria pela prestação da bancada no debate parlamentar.

"Estou muito orgulhoso do Partido Social Democrata e sabemos que nem sempre podemos estar completamente orgulhosos do nosso partido", admitiu.

Sobre o desafio autárquico de Oeiras, município liderado pelo antigo dirigente do PSD Isaltino Morais agora como independente, Rio agradeceu ao líder da JSD ter aceitado ser candidato, num concelho que "não é fácil para o PSD".

"É o candidato certo para as circunstâncias que vivemos, num concelho que tem acima de tudo de olhar para o futuro", afirmou.

Apesar de não antecipar para já a vitória em Oeiras, o presidente do PSD considerou que Poço pode ter "um resultado surpreendente".

Já o candidato e deputado agradeceu a presença de "tantos combatentes nesta missão impossível", perante as largas dezenas de pessoas que assistiram à iniciativa mais semelhante a um comício desde o arranque da campanha oficial do PSD.

"Em política não há inevitabilidades e uma eleição não é um mero expediente administrativo ou burocrático", alertou, agradecendo o apoio do MPT à sua candidatura, que tem 52% de mulheres nas listas.

Antes das intervenções, o candidato a Oeiras e líder da JSD recebeu o presidente do PSD na zona da estação ferroviária de Algés com umas meias cor de laranja, a cor associada ao partido, iguais àquelas que enverga num cartaz de campanha, e uma t-shirt onde se lia "Sim, eu Poço".

"Talvez use as meias no dia 26 de setembro", respondeu Rui Rio, quando questionado pelos jornalistas.

Antes das intervenções, no mercado de Algés, a caravana fez um percurso por algumas ruas do concelho, mas foram poucos os contactos com a população ou com os comerciantes locais.

Numa das esplanadas em que cumprimentaram algumas pessoas, Poço foi reconhecido por uma senhora precisamente pelo cartaz "das meias", e que assegurou que "o filho ia votar nela".

"É o James Bond", respondeu Rio, em tom bem-disposto.

Marcaram presença em Algés, além do candidato à Assembleia Municipal de Oeiras e vice-presidente do partido David Justino, os 'vices' André Coelho Lima e Isabel Meirelles e o presidente do Conselho Estratégico Nacional Joaquim Sarmento.

PS Governo António Costa Rui Rio PSD Rio política eleições partidos e movimentos eleições locais
Ver comentários