Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Santana Lopes diz que concorre à liderança do PSD "para unir o partido"

Antigo primeiro-ministro quer debates com Rui Rio em todas as distritais do partido.
22 de Outubro de 2017 às 16:54
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Santana Lopes
Pedro Santana Lopes disse este domingo que se candidata a líder do PSD para "unir o partido". O antigo primeiro-ministro discursa na Feira Nacional de Santarém. "Estou aqui e vim para clarificar", começou por dizer o ex-provedor da Santa Casa da Misericórida de Lisboa.

Santana diz ter aprendido em 2004 e 2005 que "a legitimidade do voto não se herda, conquista-se". Mas prometeu que não vai voltar a falar da dissolução do seu governo, por iniciativa do presidente Jorge Sampaio, depois de ter sucedido a Durão Barroso quando este foi liderar a Comissão Europeia. Mas não resistiu a pedir aos presentes que comparassem os último acontecimentos com o que lhe sucedeu. "Ai se isto fosse com o Governo de Santana Lopes", gracejou o candidato.

Falando sobre a liderança mais recente do partido, Santana Lopes diz que os sociais-democratas devem orgulha-se do trabalho de "salvação nacional" feito por Pedro Passos Coelho.

Numa primeira parte do discurso, Santana apontou à situação interna do partido e quis demarcar-se. "Nunca andei a dizer mal do partido, nem apoiei candidatos que fossem contra o partido", disse, numa referência ao apoio que o rival na corrida à liderança, Rui Rio, deu a Rui Moreira na primeira campanha para a câmara do Porto.

Santana apresenta-se sob o slogan "Unir o partido, ganhar o país"

Recusa o termo "geringonça" para definir o Governo
Sobre o Governo e a esquerda, Santana diz não gostar da expressão 'geringonça', porque "eles gostam". "Estamos perante uma frente de esquerda, com comunistas e bloquistas, num arranjo que fizeram para governar o país". "Nós conseguimos fazer melhor", garante Santana.

Candidato quere debates com Rio em todas as distritais
Pedro Santana Lopes sugeriu este domingo às diferentes distritais e organizações regionais do partido que promovam debates com ele e o seu rival na corrida às diretas de janeiro, Rui Rio.

Pedro Santana Lopes afirmou que sempre defendeu que o Conselho Nacional do partido marcasse as diretas para a escolha do sucessor de Pedro Passos Coelho para "um período mais à frente" e não logo para o início de dezembro, porque "os militantes têm de votar com fundamento".

As eleições diretas no PSD estão previstas para o final de janeiro de 2018.

santana lopes candidatura psd apresentação candidatura liderança
Ver comentários