Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

‘Trespasse’ nas águas de Paredes pode custar 133 milhões

Falta de investimento justifica resgate de concessão.
Manuel Jorge Bento 16 de Maio de 2021 às 09:37
Câmara Municipal de Paredes
Presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida
Câmara Municipal de Paredes
Presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida
Câmara Municipal de Paredes
Presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida
Vinte anos após a concessão do sistema de água à Be Water, há freguesias de Paredes ainda sem saneamento. A falta de investimentos previstos no contrato e a subida de 45% nas tarifas, desde 2008, levaram o município ao resgate da concessão. A câmara estima que terá de pagar à concessionária 22,5 milhões de euros - e já aprovou a contratação de dois empréstimos. A empresa, detida pelo gigante chinês Beijing Enterprises Water Group, impugnou a decisão municipal e exige na Justiça uma compensação de 133 milhões.

“Está em causa o interesse público porque mais de metade do concelho não tem saneamento”, indica ao CM o presidente do município, Alexandre Almeida, que considera o valor reclamado em tribunal pela Be Water “um exercício de grande imaginação”. Explica que a concessionária comprometeu-se, em 2008, a investir 35 milhões de euros até 2036, mas só realizou 3,7 milhões até 2019.

O resgate foi deliberado em dezembro e chega agora à Justiça por via de uma ação judicial administrativa lançada pela Be Water. “Como podemos investir em algo que nunca nos entregaram em zonas onde não nos deixam operar?”, questiona Alberto Carvalho Neto, CEO da Be Water. O mesmo responsável critica a baixa taxa de ligação dos munícipes ao sistema concessionado (só 54%) e atira: “Fazem-se campanhas eleitorais com a água, sem dar a seriedade devida ao setor.”

"Decisão está tomada e não há volta atrás"
O presidente da Câmara de Paredes, Alexandre Almeida, garante que, apesar da ação judicial interposta pela Be Water, "a decisão de resgate [do sistema de águas] está tomada e não há volta atrás". Assegura que "o serviço à população nunca ficará em causa".

SAIBA MAIS
33
milhões de euros é o valor do investimento a realizar pelo futuro Serviço Municipalizado de Águas e Saneamento, de 2022 a 2036, segundo o estudo de viabilidade económica, baseado no modelo económico da concessionária, indica o município.

Negociações desde 2018
Segundo a câmara, a Be Water reclamava um aumento de 6,5% nas tarifas e só investiria 2,5 milhões. A empresa argumenta que a atualização do tarifário não é feita desde 2015.
Ver comentários