Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Ventura admite que se Bloco ficar à frente do Chega é uma derrota para o partido

Presidente do Chega refere que que o partido"esteve sozinho na rua contra a narrativa do racismo".
Lusa 18 de Janeiro de 2022 às 19:25
André Ventura no segundo dia do III Congresso do Chega, em Coimbra
André Ventura no segundo dia do III Congresso do Chega, em Coimbra FOTO: Lusa
O presidente do Chega, André Ventura, admitiu esta terça-feira que caso o Bloco de Esquerda se mantenha como a terceira força política isso será uma derrota para o partido que lidera.

"Se [o Bloco de Esquerda] conseguir ficar à frente do Chega, é uma derrota para o Chega, mas sobretudo para o país", disse André Ventura, antes do arranque de uma arruada em Aveiro.

André Ventura acredita que "um dos grandes problemas da direita" nos últimos dois anos e meio "foi a incapacidade de travar esse tipo de lutas", referindo que o Chega "esteve sozinho na rua contra a narrativa do racismo", a pedir "que se acabasse com esta ideia de que os portugueses são racistas".

"O Chega ficou sozinho à direita. Nem PSD, nem CDS-PP, nem Iniciativa Liberal se juntaram a isso", disse.

Essa "luta" deu votos ao partido de extrema-direita e as sondagens "indicam que as pessoas queriam que houvesse uma força assim e capaz de ter esta linguagem e falar diferente", notou André Ventura, que foi condenado pela Relação por ofensas ao direito à honra e ao direito à imagem, considerando os juízes que houve "uma vertente discriminatória em função da cor da pele e da situação socioeconómica" dos visados, uma família do Bairro da Jamaica, a quem o líder do Chega chamou de "bandidos".

"Eu acho que não somos um país racista. Continuo a achar que não somos um país racista", vincou, apesar de o inquérito European Social Survey publicado em 2020 referi que "62% dos portugueses manifestam racismo".

Ver comentários