Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Ventura apresenta Nuno Graciano como cabeça-de-lista autárquico em Lisboa e prevê "resultado histórico"

Chega diz-se "força mais incómoda" em Portugal.
Lusa 16 de Março de 2021 às 18:52
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O Presidente do Partido Chega! André Ventura (D), cumprimenta Nuno Graciano (E) após a sua apresentação da candidatura à Câmara Municipal de Lisboa pelo partido Chega!, em Lisboa, 16 de março de 2021
O presidente do Chega declarou esta terça-feira que o seu partido se transformou na "força mais incómoda para o poder em Portugal" e prognosticou que o cabeça-de-lista autárquico em Lisboa vai obter um "resultado histórico" em setembro/outubro.

André Ventura discursava antes de apresentar o comunicador e empresário Nuno Graciano, "para vencer", junto ao Padrão dos Descobrimentos, perante várias dezenas de dirigentes, apoiantes ou meros transeuntes em exercício físico na zona ribeirinha de Lisboa ocidental.

"Aqui, na Câmara de Lisboa, onde tinham pensado que nos isolavam, que nos deixariam de fora da solução de disputa, com um candidato que mais não tem feito do que destruir a cidade, como é o caso Fernando Medina [atual presidente do município], ou com um outro candidato [o ex-comissário europeu e social-democrata Carlos Moedas] que daria para gerir um banco, mas nunca para gerir a cidade de Lisboa", disse o deputado único do partido da extrema-direita parlamentar.

O líder do Chega defendeu que a candidatura em Lisboa "é a expressão maior de como o politicamente correto nunca amordaçará" o seu partido e de "como o sistema nunca" o "calará".

"Quando todos pensam que nos fazem um cordão sanitário, temos a força para romper e dizer que no Chega mandamos nós", vincou Ventura.

Segundo o presidente do partido populista, Graciano é "um lutador, alguém que sabe que estar em cima pode ser uma passagem para voltar a estar em baixo, que sabe que, mesmo nos momentos mais duros, se não lutarmos, não temos nada porque ninguém nos dá nada de graça".

Após o discurso de Ventura e antes da chegada ao microfone da instalação sonora do candidato, alguns apoiantes jovens gritaram: "Nuno, avança, com toda a confiança".

O comunicador de 52 anos, protagonista de programas de entretenimento e humor na TVI, SIC, CMTV e 11 desde há mais de duas décadas nos ecrãs portugueses, enveredou, há cerca de cinco anos, pela vida de empresário, com uma marca de queijo regional.

O socialista Fernando Medina foi "n.º 2" do seu antecessor, o atual primeiro-ministro, António Costa, desde 2013, ocupando depois a vaga deixada pelo futuro líder do PS em 2015. Medina ganhou as eleições autárquicas de 2017, mas perdeu a maioria absoluta de que gozava e ainda não assumiu a recandidatura.

Na capital, até agora, registou-se o anúncio de candidatura de Carlos Moedas, apoiado por PSD, CDS-PP, Aliança, PPM, MPT, e a Iniciativa Liberal prometeu estar autonomamente na "corrida", após a sua primeira opção, o empresário Miguel Quintas, desistir prematuramente por razões pessoais.

A deputada bloquista Beatriz Dias está pré-aprovada pela concelhia "alfacinha" do BE como cabeça-de-lista. O PCP ainda não anunciou candidato, mas o dirigente comunista João Ferreira, já vereador e eurodeputado pela coligação com "Os Verdes" (CDU), mereceu renovados elogios do secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa.

As eleições para os cidadãos escolherem a configuração de executivos municipais, assembleias locais e juntas de freguesia, têm de ser marcadas pelo Governo para entre 22 de setembro e 14 de outubro.

Em Portugal há 308 municípios (278 no continente, 19 nos Açores e 11 na Madeira), e 3.092 juntas de freguesia (2.882 no continente, 156 nos Açores e 54 na Madeira).

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
André Ventura Nuno Graciano Lisboa Portugal Chega Açores partidos e movimentos eleições eleições locais
Ver comentários