Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Cidade Balsa com área de proteção alargada

Vai também ser revista a categoria, para Sítio de Interesse Público, e fixada a zona de proteção da estação arqueológica.
João Mira Godinho 10 de Maio de 2017 às 08:29
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
Jorge Botelho quer preparar uma intervenção alargada, depois do processo da ampliação da área classificada
A antiga cidade romana de Balsa, situada em Tavira, vai ter a área classificada alargada. A abertura da consulta pública para o alargamento foi ontem publicada em Diário da República.

"Significa que para além dos três bens classificados anteriormente há uma vasta área que fica agora abrangida como sítio de interesse público", explicou a diretora regional de cultura do Algarve, Alexandra Gonçalves.

A consulta pública pretende iniciar a ampliação da delimitação da classificação e a revisão de categoria, para sítio de interesse público (SIP), e ainda fixar a zona especial de proteção provisória da Estação Arqueológica Romana da Luz/Cidade Romana de Balsa, na Luz, na União das Freguesias da Luz de Tavira e Santo Estêvão.

As ruínas da antiga cidade romana ocupam uma vasta área junto a Luz de Tavira, em terrenos privados. Os terrenos foram usados para agricultura intensiva e terraplanados ao longo de dezenas de anos, arrasando muitos dos vestígios arqueológicos, referem as autoridades.

Jorge Botelho, presidente da Câmara de Tavira, considera que o passo seguinte à consulta pública, ao alargamento da área e à reclassificação é preparar o processo para que Balsa possa ser alvo de uma intervenção alargada.

"Balsa não dá para retirar com escavações parciais tirando de lá as peças por causa do vandalismo", referiu, acrescentando que o processo de escavações deve contemplar ainda a construção de um centro interpretativo.

Jorge Botelho acredita que Balsa tem potencial para ser um centro romano de referência no sul da Europa e com grande potencial turístico e cultural.
cidade balsa proteção Tavira Algarve Antiga metrópole romana Sítio de Interesse Público arqueologia
Ver comentários