Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Garça baleada recupera e é devolvida à natureza

Ave ferida a tiro chegou ao RIAS com três chumbos no corpo e asa direita partida.
Tiago Griff 27 de Novembro de 2019 às 08:51
Garça foi tratada por técnicos do RIAS e devolvida à natureza
Libertação durante a iniciativa Sábado Livre na Quinta de Marim
Garça foi tratada por técnicos do RIAS e devolvida à natureza
Libertação durante a iniciativa Sábado Livre na Quinta de Marim
Garça foi tratada por técnicos do RIAS e devolvida à natureza
Libertação durante a iniciativa Sábado Livre na Quinta de Marim

A garça-real que deu entrada no RIAS - Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, em Olhão, no dia 8 de outubro, com três chumbos no corpo e a asa direita partida, já recuperou e foi devolvida à natureza no sábado. A ave esteve em tratamento durante um mês e meio numa câmara de recuperação que simulou o seu habitat natural para ajudar no recobro.

A ave é considerada como a maior espécie de garça existente em Portugal e chega a viver até aos 25 anos. Esteve perto de não conseguir alcançar essa idade depois de ter chegado com ferimentos ao RIAS, há cerca de mês e meio. Apesar de ter um estatuto de conservação favorável e ser proibido caçar esta espécie, isso não impediu que tivesse sido alvejada com três chumbos disparados por uma caçadeira e que ficaram alojados no bico, na zona da cauda e numa das pernas. A ave tinha ainda uma asa partida.

Depois de ter sido recuperada com a ajuda dos técnicos do centro, situado na Quinta do Marim, no Parque Natural da Ria Formosa, foi finalmente libertada, no passado fim de semana, durante a iniciativa Sábado Livre, em que a população pode participar na devolução à natureza dos animais do RIAS.

Este caso teve um final feliz. No entanto, na mesma altura em que a garça-real deu entrada no RIAS, duas águias também atingidas com chumbos acabaram por não sobreviver. Uma das aves, a águia-calçada, tinha seis projéteis espalhados por todo o corpo, uma situação que por si só é grave, mas que ganha outras proporções porque se tratava de um animal com um estatuto de conservação quase ameaçada.

RIAS Investigação de Animais Selvagens Olhão interesse humano animais ambiente natureza
Ver comentários