Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Guimarães quer zona de Couros classificada pela UNESCO

Processo em curso para integrar zona onde existem vestígios de manufatura de peles.
Manuel Jorge Bento 12 de Dezembro de 2018 às 08:52
Câmara de Guimarães pretende estender a área classificada como Património Mundial da Humanidade, à zona de Couros
UNESCO
UNESCO
Câmara de Guimarães pretende estender a área classificada como Património Mundial da Humanidade, à zona de Couros
UNESCO
UNESCO
Câmara de Guimarães pretende estender a área classificada como Património Mundial da Humanidade, à zona de Couros
UNESCO
UNESCO
Guimarães quer preservar a memória, mas pretende também mostrar que tem outras zonas dignas de serem classificadas", afirmou Adelina Pinto, vereadora da Cultura no município que defende o alargamento da área classificada pela UNESCO à zona de Couros, onde ainda persistem vestígios da manufatura de peles, que remonta à Idade Média. O processo é moroso e está "em curso". A cidade-berço assinala esta quinta-feira o 17º aniversário da inclusão do centro histórico na lista do Património Mundial.

"É a nossa joia da coroa e todos temos um carinho imenso pela zona da cidade classificada, que tem uma enorme carga histórica, após um trabalho de requalificação exemplar, que foi realizado à data. Agora, trabalhamos na preservação do espaço, na adequação a uma cidade que tem consciência de que os centros históricos têm que ser habitados e também têm que ter restaurantes, cafés, espetáculos e cultura, acrescentando-lhe valor", referiu ao CM a titular da pasta da Cultura.

O município preparou agora um programa extenso, quinta e sexta-feira, com exposições, conferências, trabalhos das escolas, uma corrida pelo património e vários concertos. "É a altura de celebração, em que tentamos mostrar a sorte que temos por dispormos deste património, com toda a memória que queremos preservar", indicou Adelina Pinto.

Também esta quinta-feira, decorrerá a apresentação do estudo antropológico das Festas Nicolinas. O documento analisa a viabilidade da candidatura daquela celebração a património imaterial. "É um outro aspeto da nossa cidade que pretendemos preservar", concluiu a vereadora.
Ver comentários