Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto

Utentes criticam falta de elevador e escadas rolantes e descrevem água a cair em cascata.
Manuel Jorge Bento 21 de Novembro de 2019 às 09:57
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Passageiros apontam problemas graves na estação de Campanhã no Porto
Escadas rolantes fora de serviço, um elevador parado e partes da cobertura interior que ruíram são alguns dos problemas da estação de metro de Campanhã, no Porto, apontados esta quarta-feira por passageiros.

"A obra nunca foi concluída. Já lá presenciei cenas absurdas de água a cair em cascata pelo tecto", referiu um de muitos cidadãos que comentaram o alerta lançado nas redes sociais.

As imagens da degradação foram divulgadas na página de Facebook ‘Porto. O Lado Abandonado da Cidade’. "Essa estação sempre teve problemas. Nunca foi devidamente acabada", lamenta uma utente.

A Infraestruturas de Portugal (IP) responde que "por razões não imputáveis à IP, foi necessário imobilizar a escada rolante, estando a empresa a desenvolver todas as ações necessárias para restabelecer o funcionamento".

Já a avaria no elevador foi "prontamente reparada". Relativamente ao edifício, refere que "tem vindo a promover as ações para salvaguardar a segurança dos utentes". "Mais se informa que toda a zona será transferida para a autarquia no âmbito do Terminal Intermodal de Campanhã", acrescenta.

A obra do Terminal teve início em setembro, num investimento de 12,6 milhões de euros, a executar em 21 meses.
Ver comentários