Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

17 anos de prisão para homicida que descobriu crime pela CMTV

Atuou de forma traiçoeira e feriu a vítima na zona do coração, tendo fugido depois de deixar a vítima a esvair-se em sangue.
Correio da Manhã 27 de Setembro de 2021 às 15:15
A carregar o vídeo ...
"Soube que o matei quando vi na CMTV": Homicida diz que pensava que vítima estava a fingir

O Tribunal de Penafiel condenou Ilídio Barbosa a 17 anos e 2 meses de prisão.

O arguido estava acusado do homicídio qualificado de Nuno Rocha, em novembro do ano passado, em Cête, Paredes.

A pena aplicada deveu-se ao arguido não ter assumido o crime nem interiorizado os factos que cometeu. Segundo o tribunal, atuou de forma traiçoeira e feriu a vítima na zona do coração, tendo fugido depois de deixar a vítima a esvair-se em sangue.

 

Nuno Rocha foi atraído para o local do crime para um encontro com Ilídio Barbosa, que conhecia por negócios de droga. Estava acompanhado por outro amigo e os dois foram atacados.

Ilídio Barbosa não esteve presente na leitura do acordão, porque assistiu por videoconferência no estabelecimento prisional onde se encontra em prisão preventiva.

Noutra audiência, o arguido tinha dito aos juízes que agiu para se defender de um assalto. Explicou que ia vender droga a Nuno Rocha, de 35 anos, e que, quando este o tentava roubar, o empurrou, atirando-o para o chão, tentando defender-se.

Negou ter atacado à navalhada, tendo-lhe provocado a morte com um golpe no peito. "Fiquei sem chão. Estupefacto quando vi na CMTV que ele estava morto. Não sonhava com tal coisa. Para mim ele estava a fingir", referiu na altura.

Nuno Rocha Ilídio Barbosa CMTV Tribunal de Penafiel crime lei e justiça julgamentos questões sociais
Ver comentários