Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Ana Cristina foi morta pelo marido e é a 10.º vítima mortal de violência doméstica este ano. Recorde as histórias

Em 2020 registaram-se 26 mortes pelo crime de violência doméstica.
Correio da Manhã 8 de Julho de 2021 às 19:02
Ana Cristina foi morta pelo ex-companheiro
Ana Cristina foi morta pelo ex-companheiro FOTO: Direitos Reservados
Ana Cristina Lopes, de 57 anos, vivia há mais de um ano o horror de uma perseguição com ameaças de morte por parte do marido, após ter tomado a decisão de sair de casa. Acabou brutalmente agredida com um tijolo pelo companheiro, que após o crime tentou matar-se. Ana Cristina é a 10.ª vítima mortal da violência doméstica em Portugal, este ano, de acordo com o CM Radar da Violência Doméstica, que lhe mostra todos os casos nos últimos anos.

No ano passado contaram-se 26 casos de mortes em contexto de violência doméstica, o que parece indicar uma redução no número de casos de mortes neste crime, devido ao confinamento e à atual situação de pandemia vivida em Portugal.

No total, em 2021, contam-se para já sete mulheres e três homens que morreram no contexto de desentendimentos na vida doméstica.

Mata mulher em frente ao filho quando esta tentou terminar a relação
Maria do Carmo foi a primeira vítima mortal este ano: foi assassinada pelo companheiro em Nogueira, na Maia, ao pedir o fim da relação. O agressor homicida cometeu o crime em frente ao filho menor, de apenas 12 anos.

Morto pelo filho que deu alerta às autoridades
Manuel Soares foi morto pelo filho, de 30 anos, com três facadas em Lousada. Após o crime foi o próprio homicida a ligar para as autoridades, relatando o que havia feito e afirmando que pretendia matar-se. O agressor acabou travado e detido.

Mulher mata ex-companheira à facada em plena rua
Catarina Gonçalves, de apenas 25 anos, foi esfaqueada no peito e no pescoço por Miranda, a ex-companheira, em plena rua, no Porto. As duas muheres estavam em processo de divórcio e as discussões eram frequentes, uma vez que a ex-companheira de Catarina não aceitava a separação. A agressora fugiu mas acabaria por se entregar à PSP, na esquadra do Bom Pastor.

Mata mãe a tiro e ameaça irmã de morte
Laura de Jesus, de 82 anos, foi morta pelo próprio filho, de 49 anos, em Oliveira de Frades. "Vou matar a mãe e a seguir vais tu", disse José Pedro Ferreira, de 49 anos, para a irmã, Maria da Conceição, instantes antes de concretizar a ameaça e assassinar a tiro de uma pistola 6,35 mm, a sangue frio, a progenitora - com um disparo na zona do olho esquerdo, tendo a bala saído pela nuca. O homicida discutia frequentemente com a mãe quando a irmã ia tratar do pai, acamado, cego e parcialmente surdo.

Homem mata ex-mulher em Vila Real com arma ‘dada’ pela justiça
Maria Fernanda Vilela
, de 74 anos, e o marido, de 75, estavam separados há mais de uma década, devido a recorrentes episódios de violência doméstica. Por questões financeira, decidiram dividir casa em Vila Real. O agressor viria a matar Maria fernanda a tiro, com uma pistola 6,35 mm que lhe foi apreendida pela PSP, em 2006, como medida cautelar, e devolvida mais tarde por ordem do tribunal daquela comarca. A mulher foi a quinta vítima mortal de violência doméstica este ano em Portugal.

Mata mulher para "calar voz irritante"
Beatriz Cadinha, de 78 anos, chamou várias vezes o marido, Teixeira, de 79, para jantar. Farto da insistência da mulher, que não parava de gritar o seu nome, o idoso aproximou-se dela para a calar. Agrediu-a e asfixiou-a, apertando-lhe o pescoço. Porém, a força empregue foi excessiva e Beatriz deixou de reagir.

Depois, o homem colocou Beatriz inanimada num tapete para a levar para o rés do chão da casa em que viviam, em Valadares, Vila Nova de Gaia. O corpo deslizou pelas escadas e, percebendo o que tinha feito, Teixeira simulou que ela tinha caído.

Homem morto pela mulher com faca e machada
Manuel Vieira, de 57 anos, foi assassinado com vários golpes no concelho da Murtosa. O crime terá sido cometido pela mulher, de 54 anos. A suspeita também apresentava alguns ferimentos e foi levada para o Hospital de Aveiro. O casal não tinha historial de violência doméstica mas, segundo alguns vizinhos a agressora apresentava problemas psicológicos algum tempo antes do crime.

Mata mulher a tiro, deixa corpo na cama e foge
As discussões entre Teresa Paula Oliveira, de 55 anos, e o companheiro, com cerca de 60, eram frequentes devido a conflitos familiares. Esta sexta-feira, a mulher, vítima de violência doméstica, foi encontrada morta com dois tiros na casa onde residia, na Moita, concelho de Castanheira de Pera. Estava na cama, vestida com um pijama. O companheiro fugiu num carro que era da família da vítima e viria a ser detido, dias mais tarde, num café a beber cerveja e a ver um jogo de futebol da Seleção Nacional.

Carla Sofia foi estrangulada até á morte pelo marido que se matou em seguida
Os corpos de Carla Sofia e do companheiro foram encontrados por um popular, dentro de uma garagem. As discussões entre o casal eram frequentes e, naquele dia, momentos antes de entrarem ambos na garagem foram ouvidas por vizinhos. "Larga-me, larga-me" foram as últimas palavras que se ouviram da boca de Carla Sofia, mãe de outros quatro filhos além da menina que tinha em comum com o agressor e homicida Filipe Vinagre. O homem estrangulou-a antes de se matar.

Ver comentários