Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Ativistas exigiram em Santo Tirso justiça no caso dos animais mortos no incêndio de 2020

Manifestação visou alertar para o facto de, passado um ano, as donas dos dois abrigos ilegais ainda não terem sido constituídas arguidas.
Lusa 16 de Outubro de 2021 às 16:26
A carregar o vídeo ...
Ativistas exigiram em Santo Tirso justiça no caso dos animais mortos no incêndio de 2020
Cerca de 60 pessoas marcharam este sábado entre o Tribunal de Santo Tirso e a Câmara Municipal em protesto pela "lentidão" com que decorre o processo-crime resultante da morte de mais de 70 animais, em julho de 2020, num incêndio.

Convocada por um grupo de ativistas pelos direitos dos animais, a manifestação visou alertar para o facto de, "passado um ano, as donas dos dois abrigos ilegais na serra da Agrela onde morreram os cães e gatos ainda não terem sido constituídas arguidas", referiu à Lusa Dulce Moreira, uma das dinamizadoras da marcha.

Em 18 de julho de 2020, 73 animais (69 cães e quatro gatos) morreram nos abrigos ilegais "Cantinho das Quatro Aptas" e "Abrigo de Paredes", vítimas do incêndio que tinha começado na véspera no concelho de Valongo.

Do sucedido resultaram várias queixas em tribunal, mais tarde concentradas num processo-crime a correr termos no Tribunal de Santo Tirso, distrito do Porto.

Invocando a lei que penaliza maus-tratos a animais e que prevê "dois anos de prisão" para quem o fizer, Dulce Moreira insistiu em que "seja feita justiça" e lamentou a "lentidão" do processo.

"As senhoras dos dois abrigos ficaram conhecidas pelo incêndio que matou todos aqueles animais, mas não é só isso, verificaram-se anos de maus-tratos a animais na serra da Agrela e ambas terão de ser impedidas de poder voltar a ficar com animais", reivindicou a ativista.

Dulce Moreira acrescentou, sobre os animais que sobreviveram ao incêndio, que "muitos deles ficaram extremamente traumatizados" e que, devido a isso, nenhuma das donas "tem competência para continuar a lidar com animais".

Ver comentários