Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Cerca de 200 polícias protestam em Lisboa

Profissionais entregaram documento com reivindicações a António Costa.
20 de Abril de 2017 às 19:35
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Dezenas de polícias protestam em Lisboa
Cerca de 200 polícias participam hoje num "desfile de protesto", em Lisboa, para entregar ao primeiro-ministro um documento reivindicativo com os principais problemas do setor.

Organizado pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP), o "desfile de protesto" realiza-se entre o Jardim de Santos e a residência do primeiro-ministro, contando com a presença de delegados e dirigentes da ASPP/PSP que participaram hoje à tarde numa assembleia-geral onde aprovaram o documento reivindicativo que vão entregar a António Costa.

Entre as principais reivindicações estão a conclusão dos concursos de promoção de polícias abertos em 2016 para todas as categorias, a publicação das listas de antiguidades e dos 800 profissionais que reúnem os requisitos para a pré-aposentação, disse aos jornalistas o presidente da ASPP/PSP.

Paulo Rodrigues adiantou que os polícias exigem também o cumprimento na totalidade do estatuto profissional da PSP, como a "rápida homologação das avaliações de 2016", uma vez que o aumento dos dias de férias só se pode concretizar através desta via.

Estas são as questões que a ASP/PSP quer que o Governo resolva até junho, caso contrário Paulo Rodrigues avançou que serão feitas várias ações de luta, podendo passar por uma grande manifestação de polícias.

Outros problemas do setor estão relacionados com a operacionalidade da PSP, nomeadamente a falta de equipamentos, viaturas e falta de condições nas instalações policiais.

A ASPP/PSP entende que estas questões operacionais têm de começar a ser solucionadas durante o ano de 2017.
António Costa ASPP/PSP Associação Sindical dos Profissionais da Polícia Paulo Rodrigues crime lei e justiça
Ver comentários