Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Gémeos no quartel dos bombeiros

Saíram de Paredes, a caminho do Hospital S. João no Porto, onde Rosa Maria Costa, de 26 anos, deveria dar à luz um casal de gémeos. Mas tal não chegou a acontecer: as contracções aumentaram e o marido de Rosa teve de parar o automóvel no quartel dos Bombeiros Voluntários de Valongo, onde os bebés acabaram por nascer.
21 de Novembro de 2006 às 00:00
Vera e Diogo nasceram ajudados pelo bombeiro António Soares
Vera e Diogo nasceram ajudados pelo bombeiro António Soares FOTO: António Rilo
Vera Beatriz nasceu às 06h15 de ontem, com 2,3 quilos, e Diogo Jorge nasceu onze minutos depois, às 06h26, com 2,8 quilos. Apesar do nascimento atribulado, a mãe e os bebés estão bem.
Mal chegou ao quartel de Valongo, Rosa foi de imediato socorrida por três bombeiros: Márcio Coelho, Cláudio Soares e António Soares. Pouco depois começou o trabalho de parto.
“Sabíamos que eram gémeos, mas desconhecíamos se eram verdadeiros ou falsos. Em cada um dos casos o procedimento é diferente. Por isso, estávamos um bocado tensos e nervosos. Se fossem verdadeiros, partilhariam o mesmo cordão umbilical, mas não eram”, contou ao CM António Soares.
Só na altura do nascimento do segundo bebé chegou a equipa médica do INEM, que ainda ajudou os bombeiros no segundo parto.
António Soares, bombeiro há 16 anos, já assistiu a três partos – mas todos ocorreram já a caminho do hospital. “Este foi diferente por serem gémeos e por ser dentro do quartel, mas é sempre uma grande alegria assistir ao nascimento de alguém”, disse.
Quem não teve oportunidade de ver os filhos nascer foi o próprio pai das crianças. Deixou a esposa no quartel e dirigiu-se de imediato para o Hospital de S. João, no Porto, convencido de que ela seguiria para lá. Tal não aconteceu e só mais tarde pôde ver os filhos.
Os bebés foram depois encaminhados para o hospital. “Estão de perfeita saúde e a mãe também. Tinham 37 semanas. O nascimento ocorreu dentro do que nós gostávamos que fosse todos os nascimentos de gémeos”, disse ao CM o director do Serviço de Obstetrícia do Hospital de S. João, Nuno Montenegro.
Ver comentários