Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Hospitalizado agricultor que estava em greve de fome junto da residência oficial do primeiro-ministro

"O senhor não tem razão, não há nada a fazer, é muito simples", disse António Costa no Parlamento.
Lusa 30 de Setembro de 2022 às 14:15
Proprietário agrícola Luís Dias
Proprietário agrícola Luís Dias FOTO: Twitter
O agricultor Luís Dias, que estava há vários dias em greve de fome perto da residência oficial do primeiro-ministro, deu entrada na quinta-feira no Hospital São José, em Lisboa, onde permanece em observação, disse à Lusa fonte hospitalar.

Segundo a fonte do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC), do qual faz parte o Hospital São José, Luís Dias encontrava-se esta sexta-feira de manhã na sala de observação do serviço de urgências.

Na quinta-feira, o deputado único do Livre, Rui Tavares, questionou no parlamento o primeiro-ministro, António Costa, sobre Luís Dias, que estava há vários dias em greve de fome junto à residência oficial do chefe do Governo, em São Bento.

Em resposta, no debate sobre política geral no parlamento quanto à crise de alojamento de estudantes no país, o primeiro-ministro, António Costa, disse que tem mantido contacto com Luís Dias "várias vezes ao longo dos anos em que tem estado em manifestações", no entanto, afirmou que o Governo "não tem nada a fazer para responder a essa situação".

Perante o protesto de algumas bancadas, o primeiro-ministro respondeu: "O senhor não tem razão, não há nada a fazer, é muito simples", disse.

O proprietário agrícola já tinha estado em greve de fome em frente ao Palácio de Belém, em Lisboa, um protesto que durou cerca de 30 dias e terminou a 06 de junho de 2021, após receber a visita de apoiantes e de falar com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Na altura, o agricultor, de 49 anos, disse que se encontrava em greve "contra a indiferença destrutiva do Estado", que alega ter prejudicado o seu projeto agrícola.

A história de Luís Dias, segundo relatou o jornal Público na altura, remonta a 2015, quando apresentou, junto da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro (DRAPC), uma candidatura para ajudas financeiras para avançar com uma exploração de amoras na Quinta da Zebreira, em Castelo Branco.

A candidatura viria a ser recusada por, segundo o DRAPC, não existirem garantias bancárias.

O agricultor viria a recorrer ao Tribunal de Contas Europeu, que lhe deu razão, afirmando que as garantias bancárias não lhe podiam ser exigidas.

Em 2017, após o mau tempo ter destruído a sua exploração, voltou a pedir ajuda à DRAPC e verbas para compensar os prejuízos pela intempérie, mas o apoio voltou a ser recusado.

Dois anos depois, Luís Dias recorreu à provedora de Justiça e, nessa altura, o Ministério da Agricultura considerou, num despacho, que a Quinta da Zebreira poderia ter acesso a verbas do Estado, mas nunca efetuou qualquer pagamento.

Em janeiro deste ano, Luís Dias anunciou que iria voltar a fazer greve de fome, acusando o Governo de "extrema má-fé", após ter sido recebido pelo Ministério da Agricultura.

"O boicote e a prepotência reiterada do Estado tiraram-me tudo. A única coisa que me resta, para além da razão que o Estado reconhece, mas não repara, é a minha dignidade. Não vou ceder. [...] Se quiser discutir isto comigo e por fim repor a justiça que está inteiramente nas suas mãos, estarei acampado em greve de fome à porta da sua residência, a partir da próxima sexta-feira", afirmava numa carta aberta, enviada na altura ao primeiro-ministro, à qual a Lusa teve acesso.

Ver comentários