Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Incêndio em clube de canoagem de Odemira causou prejuízo a rondar 200 mil euros

Foi "uma verdadeira tragédia", afirmou presidente do Clube Fluvial Odemirense.
Lusa 11 de Outubro de 2021 às 21:32
Bombeiros
Bombeiros
O incêndio que destruiu as instalações do Clube Fluvial Odemirense, em Odemira (Beja), na madrugada de sábado, causou um prejuízo próximo dos "200 mil euros", mas a coletividade vai manter-se em atividade, revelou hoje o respetivo presidente.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Clube Fluvial Odemirense (CFO), Ilídio Soares, reconheceu que o incêndio foi "uma verdadeira tragédia", destruindo "toda a vida" desta coletividade do distrito de Beja, fundada em 1984.

"Neste momento, estamos quase a zero", disse o dirigente deste clube de canoagem do litoral alentejano.

Segundo Ilídio Soares, as chamas destruíram o material que se encontrava no hangar, "incluindo cerca de 60 embarcações", assim como o ginásio e os balneários.

O próprio telhado do edifício "está estalado por todo o lado", não oferecendo "condições de segurança", acrescentou.

"Foi uma destruição total. Sem contar com o edifício, o prejuízo deve rondar os 200 mil euros ou se calhar mais", revelou Ilídio Soares, garantindo que o clube tem um seguro que só cobre danos "até 75 mil euros".

O presidente do CFO adiantou que todo o material ardido até já era para estar nas novas instalações do clube, o que só não aconteceu porque "os portões não estavam acabados".

Apesar deste revés, o responsável afiançou que a coletividade, que conta com cerca de 50 atletas, não vai parar.

"Ontem [domingo] juntámo-nos todos e pegámos nos barcos que estavam no exterior, mais velhos, e com a ajuda de uma oficina de bate-chapas aqui de Odemira recuperámos uns quantos, para não pararmos", disse.

A par disso, o clube lançou também uma campanha de angariação de fundos, que está a ter grande acolhimento entre a população.

"Neste momento, está tudo a querer ajudar. Estamos a sentir a solidariedade dos odemirenses", realçou Ilídio Soares.

Também o novo presidente da Câmara de Odemira, o socialista Hélder Guerreiro, que tomou hoje posse, anunciou que o município está "totalmente disponível" para apoiar o CFO.

"Temos de encontrar com o clube a forma de adquirir" os equipamentos em falta, "que reponham" a sua "capacidade de treino e de competição", afirmou o autarca à Lusa.

Para Hélder Guerreiro, o CFO "é um clube fundamental" em Odemira "numa modalidade que é estratégica no concelho".

O alerta para o incêndio nas instalações do CFO foi dado às 05:37 de sábado e, para o local foram mobilizados 14 operacionais, auxiliados por seis viaturas e elementos da GNR.

Ainda no mesmo dia, a Polícia Judiciária anunciou a detenção, através do seu Departamento de Investigação Criminal de Portimão, de um cidadão alemão, de 35 anos, "por fortes indícios" da prática do crime de incêndio ocorrido em Odemira.

Odemira Beja Clube Fluvial Odemirense Hélder Guerreiro questões sociais canoagem incêndio
Ver comentários