Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Inspetores da PJ ouvidos em tribunal sobre morte de Mota Jr

Rapper foi brutalmente espancado à porta de casa. Corpo foi colocado no porta-bagagens de um carro e deixado em Sesimbra.
Miguel Curado 14 de Julho de 2021 às 14:32
Mota Jr foi atacado à porta de casa
Mota Jr foi atacado à porta de casa FOTO: DIREITOS RESERVADOS
A segunda sessão do julgamento da morte do rapper Mota Jr decorreu esta quarta-feira no tribunal de sintra.

Durante a parte da manhã foram ouvidos três inspetores da Polícia Judiciária, que referiram a importância da triangulação das escutas de telemóveis forneceu à investigação.

A informação, que está no processo, aponta para que os três arguidos - Edi Barreiros, Fábio Martins e João Luizo - estiveram na zona de São Marcos no Cacém (zona de residência da vítima) antes, durante e depois do crime.

A chamada triangulação dos telemóveis permitiu ainda acompanhar os passos seguintes ao crime, nomeadamente a venda do ouro do rapper por parte dos homicidas, um dos objetivos que motivou o assassinato de Mota Jr.

O trio terá tentado vender o ouro, numa primeira fase, num centro comercial do Barreiro e o Bairro da Cova da Moura. O negócio acabou por se concretizar na zona de Moscavide.

Durante a tarde desta quarta-feira está prevista a audição de mais duas testemunhas e familiares de Mota Jr e Vera Monteiro, considerada uma testemunha-chave no processo. A jovem vai depor através de videoconferência, depois de ter sido ameaçada de morte.

Mota Jr estava a chegar a casa quando foi surpreendido por dois indivíduos armados e encapuzados à porta de casa. Foi brutalmente espancado. O corpo foi colocado no porta-bagagens do carro de um dos atacantes. Viria a ser largado nessa mesma noite em Sesimbra.

No dia seguinte, enquanto Filomena e a filha prestavam declarações na PJ, o gang voltou ao local do crime. Tinham as chaves de casa do rapper. Levaram ouro e dinheiro.

“Senti logo que alguém tinha estado lá. A porta estava no trinco. Eles sabiam onde estava tudo. Não remexeram nada”, disse ainda Filomena. A família de David Mota exige 400 mil euros de indemnização aos arguidos.
David Mota Jr PJ Filomena crime lei e justiça política crime autoridades locais
Ver comentários