Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Investigador italiano defende contributo do site Football Leaks para maior transparência no futebol

Pippo Russo foi ouvido como testemunha de defesa de Rui Pinto na 38.ª sessão do julgamento, no Tribunal Central Criminal de Lisboa.
Lusa 28 de Abril de 2021 às 18:12
Rui Pinto
Football Leaks
Rui Pinto
Football Leaks
Rui Pinto
Football Leaks
O jornalista e investigador italiano Pippo Russo defendeu esta quarta-feira em tribunal o contributo do 'Football Leaks' para uma maior transparência nos negócios do futebol e uma maior exigência dos adeptos em relação ao acesso à informação.

"Seguramente há uma maior transparência no futebol, mas algo mais importante também: uma maior exigência. Os adeptos têm consciência disso e querem também cada vez mais transparência", afirmou o autor de obras na área do futebol, nomeadamente 'A Orgia do Poder', publicada em 2017 e que retrata "a história nunca contada de Jorge Mendes".

Ouvido como testemunha de defesa de Rui Pinto na 38.ª sessão do julgamento a decorrer no Tribunal Central Criminal de Lisboa, Pippo Russo relembrou que foi a partir das revelações da plataforma eletrónica criada em 2015 por Rui Pinto que surgiram várias ações judiciais a nível internacional visando, sobretudo, potenciais ilícitos fiscais de grandes figuras do futebol europeu, como os jogadores Cristiano Ronaldo e Lionel Messi.

Destacando a importância do 'Football Leaks' para se saber que "havia uma economia paralela no futebol", o investigador italiano notou que até então "as regras eram um pouco vagas" nesta área. E perante a dimensão das informações divulgadas pelo site, manifestou a sua convicção de que este trabalho seria obra de mais do que uma só pessoa.

"Comecei a associar Rui Pinto ao 'Football Leaks' depois de os meios de comunicação social o revelarem. Sempre achei que havia mais do que uma pessoa por trás do 'Football Leaks'. Pensava que uma pessoa não podia gerir uma operação desta dimensão", resumiu.

O julgamento prossegue esta quinta-feira com as audições das testemunhas Nuno Ferreira, Pedro Bragança e Francisco Louçã.

Rui Pinto, de 32 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada. Este último crime diz respeito à Doyen e foi o que levou também à pronúncia do advogado Aníbal Pinto.

O criador do 'Football Leaks' encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, "devido à sua colaboração" com a Polícia Judiciária (PJ) e ao seu "sentido crítico", mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Ver comentários