Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Juíza que julgou gémeas Cupertino: “Bebé morta pela mãe de forma bárbara”

Irmãs de Corroios condenadas a penas de prisão por homicídio e profanação de cadáver.
Ana Botto 27 de Março de 2019 às 01:30
Rafaela Cupertino, 25 anos, matou a filha à facada pouco depois de a bebé ter nascido
Inês Cupertino, irmã gémea de Rafaela foi cúmplice
Pai da bebé assasinada à nascença revela cenário de terror que encontrou em casa
Imagens exclusivas mostram provas recolhidas em casa das gémeas Cupertino
Prédio na avenida Vieira da Silva, em Corroios, onde ocorreu o crime
Rafaela Cupertino, 25 anos, matou a filha à facada pouco depois de a bebé ter nascido
Inês Cupertino, irmã gémea de Rafaela foi cúmplice
Pai da bebé assasinada à nascença revela cenário de terror que encontrou em casa
Imagens exclusivas mostram provas recolhidas em casa das gémeas Cupertino
Prédio na avenida Vieira da Silva, em Corroios, onde ocorreu o crime
Rafaela Cupertino, 25 anos, matou a filha à facada pouco depois de a bebé ter nascido
Inês Cupertino, irmã gémea de Rafaela foi cúmplice
Pai da bebé assasinada à nascença revela cenário de terror que encontrou em casa
Imagens exclusivas mostram provas recolhidas em casa das gémeas Cupertino
Prédio na avenida Vieira da Silva, em Corroios, onde ocorreu o crime
"Poucas vezes vi uma situação tão brutal com alguém tão desamparado. Uma bebé morta pela mãe e pela tia, num ato praticado com uma violenta energia criminosa e bárbara". Foi com estas palavras que a juíza Fátima Almeida, do tribunal de Almada, mandou esta terça-feira para a cadeia as irmãs gémeas Rafaela e Inês Cupertino, de 26 anos.

A primeira tem 18 anos e três meses para cumprir, a outra 15 anos e três meses pela morte da filha de Rafaela, recém-nascida, em 2018, no Seixal. As irmãs ouviram a decisão de cabeça erguida, sem mostrar emoção.

Na leitura da sentença, a juíza Fátima Almeida sublinhou a brutalidade com que o cordão umbilical foi cortado e referiu que só as fotografias e as provas do crime "impressionaram quem as viu". Para o tribunal, não havia um motivo que antecipasse este desfecho trágico.

As irmãs trabalhavam, tinham casa própria e um grande apoio da família. "Em momento algum as arguidas pensaram em defender quem é mais fraco e indefeso", acrescentou a magistrada, que pediu às arguidas para "analisarem o que fizeram porque só assim vão conseguir dar um passo em frente e perceberem porque erraram".

As irmãs foram condenadas pelos crimes de homicídio qualificado em coautoria e profanação de cadáver. Rafaela e Inês Cupertino vão cumprir pena na cadeia de Tires.

O crime ocorreu a 9 de abril de 2018, em Corroios, Seixal. Rafaela deu à luz uma menina saudável, num parto auxiliado pela irmã. Após o nascimento, a mãe tentou afogá-la na banheira e acabou por matá-la com três facadas no peito. Depois do crime, Inês colocou o corpo da bebé dentro de um saco de compras, na cozinha.

O crime acabaria por ser descoberto na sequência da hemorragia e dos desmaios constantes de Rafaela, que obrigaram à intervenção dos meios de socorro e da polícia. 

PORMENORES 
Bebé Maria
A bebé recebeu o nome de Maria Taborda Contreiras Cupertino. Nasceu com 3,170 quilos e media 49,5 centímetros.

Faca guardada na gaveta
A faca usada no crime tem uma lâmina de 19,5 cm e foi encontrada pelos inspetores da PJ de Setúbal na gaveta dos talheres, na cozinha.

Mãe esconde gravidez
Rafaela escondeu a gravidez de toda a família. Durante a gestação tapou a barriga e chegou a usar uma cinta compressora. Consumiu álcool e drogas e deu murros no abdómen.
Ver comentários