Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Macieira da Maia: Assédio acaba a tiro

Emília Maria Maia, de 43 anos, foi ontem de manhã atingida com um tiro de caçadeira que lhe cravou vários estilhaços no braço, peito e barriga, em Macieira da Maia, Vila do Conde. Ao que o CM apurou, terá sido uma longa história de assédio sexual por parte do dono do terreno em que trabalha, a justificar o incidente.
17 de Março de 2008 às 00:55
“Já há um ano que andava a tentar ter relações sexuais comigo, mas dizia-lhe que não podia ser porque sou casada e tenho filhos”, desabafou a vítima.
Emília foi trabalhar, como habitualmente ao domingo, para uma estufa de legumes que fica nas imediações da sua casa. “Ele começou por mandar umas bocas ao meu marido e os dois pegaram-se, mas não pensei que tivesse consequências”, disse a mulher.
O caso não ficou por ali e o agressor voltou passados alguns minutos. “Julguei que viesse fazer mal ao meu marido e disse para ele fugir. Fiquei espantada, quando vou para abrir a porta, sou atingida pelo tiro”, disse a mulher.
O agressor, de 60 anos, fugiu de imediato. Posteriormente entregou-se no posto da GNR de Vila do Conde. “Ele andava sempre a dizer para entrar para o jipe dele, mas eu recusava sempre”, revelou a vítima. Segundo Emília, já a 13 de Dezembro do ano passado, o mesmo homem a tinha ameaçado com uma caçadeira. “Disse que me matava”, contou Emília. O caso motivou um processo judicial.
A vítima foi assistida no Hospital de Vila do Conde.
Ver comentários