Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Marcelo diz que Portugal "melhorou em várias coisas" na prevenção de incêndios florestais depois da tragédia de 2017

Presidente da República visitou uma ação de limpeza de uma faixa de proteção à aldeia de Venade, em Caminha.
Lusa 11 de Maio de 2021 às 13:59
Marcelo
Marcelo FOTO: Lusa
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que Portugal melhorou muito em matéria de incêndios florestais depois da tragédia de 2017, mas sublinhou que a prevenção tem de ser a palavra de ordem.

Em Caminha, onde visitou uma ação de limpeza de uma faixa de proteção à aldeia de Venade, Marcelo disse que "não há comparação" com o panorama de 2017.

"Melhorou-se em várias coisas", referiu, aludindo, designadamente, à criação de uma entidade encarregada de planear uma intervenção à escala global, a novas estruturas, à admissão de mais pessoal e a "passos importantes" em matérias de GNR e Sapadores.

"Está a dar-se passos, que devem ser acelerados, nos bombeiros voluntários", acrescentou, sublinhando ainda que as populações perceberam a importância da prevenção.

"A ideia é prevenir, prevenir, prevenir", defendeu.

Numa altura em que faltam quatro dias para o fim do prazo para limpeza de terrenos, Marcelo admitiu que, em tempos de pandemia, nem sempre é fácil cumprir.

"É natural que tenham outras coisas na cabeça, mas, se puderem, têm de estar atentos também a este problema", acrescentou.

Sobre o diferendo que envolve o SIRESP, Marcelo adiantou que, "independentemente da solução que venha a ser adotada, este ano não há problema, porque há uma solução que permite ganhar tempo para resolver o problema jurídico.

"O problema jurídico que espere um bocadinho, estamos em vésperas do verão, encontre-se uma solução para não ser o problema jurídico a impedir que haja esse meio quando estamos em cima do verão", referiu.

Nesta deslocação a Caminha, o Presidente da República foi recebido com uma pequena manifestação contra a eventual exploração de lítio na Serra d'Arga.

Marcelo ouviu os manifestantes e, repetindo o que dissera na véspera, manifestou-se convencido de que nunca haverá uma mina naquela serra, face à complexidade da aplicação da lei.

VCP // SF

Lusa/Fim

Ver comentários