Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Megaoperação do MP e do fisco por suspeitas em negócios no FC Porto com empresários

Suspeitas envolvem venda de direitos televisivos do clube à antiga Portugal Telecom. Buscas decorrem em vários locais no Norte.
Tânia Laranjo, Débora Carvalho, Liliana Rodrigues e Manuel Bento 22 de Novembro de 2021 às 09:41
A carregar o vídeo ...
Negócio de Alexandre Pinto da Costa e de Pedro Pinho em investigação

Decorreu esta segunda-feira uma megaoperação da justiça que envolveu buscas na cidade do Porto relacionadas com o mundo do futebol.

As buscas, que foram levadas a cabo pela Autoridade Tributária e pelo Ministério Público, decorreram na casa de um dos filhos do presidente do FC Porto, Alexandre Pinto da Costa, em casa do empresário Pedro Pinho e num banco. As buscas na casa do presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa, foram lideradas pelo procurador Rosário Teixeira. Os investigadores realizaram ainda diligências no Estádio do Dragão.

Em causa está a venda dos direitos televisivos do FC Porto e o pagamento de uma comissão de 20 milhões de euros à empresa que mediou o negócio. As autoridades querem saber se parte desse dinheiro acabou na esfera familiar de Pinto da Costa. Em causa estarão crimes de branqueamento e fraude fiscal.

Na altura, os dragões venderam os direitos televisivos até 2027 à então Portugal Telecom, à data presidida por Paulo Neves, por 500 milhões de euros.

Segundo apurou o CM, não foram efetuadas detenções nem foram constituídos quaisquer arguidos. Os mandados apresentados serviram apenas para apreensão de equipamentos informáticos e revistas. 

O negócio foi intermediado pela BM Consulting, do empresário Bruno Macedo, um dos arguidos na operação Cartão Vermelho e preso na mesma altura que Luís Filipe Vieira. O empresário foi igualmente sujeito ao pagamento de uma caução para ficar em liberdade.

O CM sabe que a empresa recebeu uma comissão de 20 milhões de euros pela mediação do negócio e que os investigadores suspeitam que Alexandre Pinto da Costa recebeu 2,5 milhões.

Recorde-se que Bruno Macedo é sócio de Pedro Pinho que no passado também foi sócio do filho do presidente portista.

Departamento Central de Investigação e Ação Penal confirma notícia do CM
Esta tarde o DCIAP emitiu um comunicado onde confirmava o cumprimento de 33 mandados de busca no Porto e em Lisboa por suspeitas de fraude e branqueamento relacionado com transferêncas de jogadores e circuitos financeiros com intermediários desses negócios.

FC Porto confirma buscas
A SAD do FC Porto confirmou ao final da tarde, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), as buscas às suas instalações e garantiu ter colaborado com a equipa de investigadores do Ministério Público (MP).

crime lei e justiça economia negócios e finanças media investigação futebol ministério público
Ver comentários