Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Oito meses de terror: Catarina foi perseguida, agredida e esfaqueada até à morte pela ex-mulher

Casamento de sete anos acabou em tragédia para Catarina Gonçalves. Tentou separar-se mas foi assassinada pela companheira.
Correio da Manhã 6 de Outubro de 2021 às 22:08
A carregar o vídeo ...
Jovem de 25 anos morta pela ex-mulher com 12 facadas na rua
Foram sete anos de um casamento marcado por violência. Aos 25 anos, Catarina Gonçalves já vivia atormentada pelo terror a que estava sujeita na própria casa. Ana Miranda, a companheira, de 31 anos, ameaçava-a e agredia-a constantemente.

A relação degradou-se com o passar do tempo e a decisão de Catarina Gonçalves de abandonar Ana viria a revelar-se fatal. Em julho de 2020, Catarina pediu o divórcio, mas Ana não respeitou a decisão.

Foram meses de perseguições. Em casa, no trabalho... Oito meses de terror que terminaram em março deste ano. Ana Miranda atacou Catarina à facada e só parou quando a jovem de 25 anos já não respirava. O crime ocorreu na rua Benjamim Gouveia, junto à casa da vítima, que se preparava para ir trabalhar.

Fugiu para evitar confrontos
Dois meses antes de ser assassinada, Catarina abandonou a casa onde vivia com Ana e refugiou-se num anexo de uma casa na rua Benjamim Gouveia, no Porto.

Familiares de Catarina revelaram que a tentativa da jovem de fugir à homicida valeu de pouco. Ana Miranda continuava a perseguir Catarina e chegava mesmo a visitar o anexo onde a jovem vivia desde que tinha fugido de casa.

No fim de contas, as discussões eram recorrentes. As autoridades chegaram mesmo a ser chamadas após uma discussão mais violenta. Enquanto a perseguição continuava, corria um processo em tribunal onde a vítima procurava obter uma ordem de afastamento.

Redes sociais controladas
O controlo por parte de Ana era total. Catarina teve até de mudar de conta no Facebook e limitar todas as informações aos amigos chegados. Tudo para evitar novos confrontos com a companheira.

Esfaqueada até à morte
Sábado, 13 de março. Cega de ciúmes e sem aceitar o final da relação, Ana Miranda, de 31 anos, esfaqueou 12 vezes a ex-companheira, de 25, na via pública, no Porto. O crime ocorreu pelas 06h20 na rua Benjamim Gouveia, junto à casa da vítima. Catarina Gonçalves estava a dirigir-se para o McDonald’s da Circunvalação, onde trabalhava, quando foi surpreendida pela agressora.

A vítima, que já era perseguida pela ‘ex’ há vários meses, trazia consigo um spray de gás-pimenta e, ao sentir-se intimidada, acabou por pulverizar Ana Miranda. Mas nem isso parou a arguida, que munida com uma faca de cozinha a esfaqueou no tórax, costas, braços e quase a degolou.

Homicídio qualificado
Ana está presa desde essa altura e foi agora formalmente acusada pelo Ministério Público. Vai responder em julgamento por um crime de homicídio qualificado.

Quando se entregou, disse às autoridades que não tinha intenção de matar a ‘ex’, que só queria despedir-se de Catarina, já que o seu objetivo era tirar a sua própria vida.
Ver comentários