Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Padrasto estrangula enteado e fica sem castigo

Joaquim Lara Pinto fugiu de Portimão para o Brasil logo depois de matar o enteado, Rodrigo Lapa, de 15 anos, em fevereiro de 2016.
Magali Pinto 16 de Junho de 2021 às 08:58
Joaquim Lara Pinto
Rodrigo Lapa
Joaquim Lara Pinto
Rodrigo Lapa
Joaquim Lara Pinto
Rodrigo Lapa
Joaquim Lara Pinto fugiu de Portimão para o Brasil logo depois de matar o enteado, Rodrigo Lapa, de 15 anos, em fevereiro de 2016. Até hoje a Justiça desse país não o conseguiu julgar, apesar de o ter acusado de homicídio e ocultação de cadáver.

Vários recursos têm permitido que escape à cadeia nos últimos 5 anos. O mais recente tem a ver com a competência do tribunal que o vai julgar. Perdeu o recurso, mas ganhou tempo para não ir para a cadeia ou sentar-se no banco dos réus. O processo teve vários atrasos. Só três anos depois de ter fugido é que Lara Pinto foi chamado à polícia brasileira para prestar depoimento. Em junho de 2019, disse apenas que não sabia o que tinha acontecido a Rodrigo. O advogado apresentou um relatório médico que atestava problema psicológicos. Nessa mesma altura foi feita uma busca a casa de Lara Pinto e encontrado o telemóvel da vítima. O jovem discutiu com o padrasto no dia do crime. Foi agarrado pelo pescoço e estrangulado na cozinha. O corpo foi abandonado a 100 metros de casa, num terreno. A mãe estava em casa, mas não teve participação na morte.

Rodrigo Lapa Joaquim Lara Pinto Portimão Justiça Brasil crime lei e justiça julgamentos tribunal
Ver comentários