Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Principal suspeito em caso de tráfico de armas condenado a seis anos de prisão pelo Tribunal de Coimbra

Processo julgou 19 homens, com idades entre os 25 e os 70 anos, a maioria a viver na região Centro.
Lusa 8 de Setembro de 2021 às 15:45
Polícia Judiciária
Polícia Judiciária FOTO: Alexandre Azevedo
O principal suspeito de um processo de tráfico de armas com 19 arguidos foi esta quarta-feira condenado pelo Tribunal de Coimbra a uma pena efetiva de seis anos de prisão.

O principal arguido, residente em Soure, foi condenado a uma pena única de seis anos de prisão pela prática dos crimes de tráfico e mediação de armas, detenção de arma proibida e branqueamento, tendo sido também condenado a pagar sete mil euros ao Estado, afirmou esta quarta-feira a juíza que presidiu ao coletivo.

O processo julgou 19 homens, com idades entre os 25 e os 70 anos, a maioria a viver na região Centro.

A maioria dos envolvidos estavam acusados de comprarem armas ao principal suspeito, conhecido pelas alcunhas 'Pistoleiro' e 'Motard', para uso próprio ou para venda a terceiros.

Cinco homens foram condenados a penas suspensas, entre os dois anos e os dois anos e dez meses de prisão, pela prática de tráfico de armas ou detenção de arma proibida.

Sete foram absolvidos de todos os crimes de que eram acusados e os restantes seis arguidos a penas de multa.

Todos os arguidos condenados a pena de prisão tiveram também como pena acessória a interdição temporária de uso e porte de arma.

De acordo com a acusação a que a agência Lusa teve acesso, o principal arguido, a residir em Vinha da Rainha, concelho de Soure, dedicava-se à venda de armas de fogo e munições, sem autorização para o efeito, funcionando também "muitas vezes como intermediário entre compradores e vendedores ou como testa de ferro de negócios a realizar em nome de outrem".

Usando linguagem de código para se referir às armas ou a partes das mesmas (como carros, ferros, enxadas de ponta ou máquinas de costura), o arguido apelava aos compradores para utilizarem as aplicações Messenger ou Whatsapp.

Para além de vender armas, atividade que terá decorrido pelo menos entre 2018 e 2020, o arguido também transformava armas de alarme em armas de fogo e reativava armas.

Na sua habitação, foram apreendidas dezenas de armas, entre espingardas automáticas, caçadeiras, pistolas, revólveres, facas, bastões e várias caixas de munições.

Todas as armas que se encontravam ilegais foram declaradas como perdidas a favor do Estado, determinou a juíza.

Tribunal de Coimbra Soure Estado crime lei e justiça julgamentos tribunal questões sociais
Ver comentários