Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Seis meses preso por chicotear cão

Vizinhos filmam maus-tratos de serralheiro português a ‘Joker’.
João Tavares 14 de Agosto de 2017 às 01:30
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Detido
Algemas
Algemas
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Detido
Algemas
Algemas
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Imagens captadas por um vizinho mostram a forma violenta como o português trata ‘Joker’
Detido
Algemas
Algemas
O vídeo de 37 segundos é bem claro: no quintal de casa, José Ricardo, de 42, eleva o seu cão de raça jack russell pela patas traseiras e dá-lhe duas chicotadas. Depois, deixa o animal cair e dá-lhe um pontapé violento. Por este ato de crueldade contra o cão, o português, emigrado em França, vai passar os próximos seis meses na prisão.





Há muito que os vizinhos ouviam os latidos de aflição de ‘Joker’, um cão de apenas dois anos, vindos do quintal de uma casa em Villeneuve-Saint-Georges, sul de Paris. Foi então que um vizinho decidiu filmar o que se passava, escondido. Um ato que levou a que o português fosse condenado na passada quinta-feira.

O vídeo foi entregue a uma associação de defesa de animais da zona, no início da semana passada, que depois apresentou queixa junto da polícia. Nesse mesmo dia, José Ricardo foi detido.

Confrontado em tribunal por um juiz, José Ricardo – já com antecedentes criminais por tráfico de droga – disse apenas que estava a dar um corretivo em ‘Joker’. "Eu amo muito o meu cão. Nunca lhe bati por maldade", disse o arguido, que trabalha por contra própria como serralheiro.

"Agarrar o cão pelas patas, bater-lhe com uma vara, e dar-lhe um pontapé como se fosse uma bola de futebol é um ato de crueldade", disse o procurador. José Ricardo vai ficar ainda proibido de ter animais de estimação nos cinco anos seguintes à pena. Já ‘Joker’ foi entregue a uma nova família.
Ver comentários