Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Açores vão ter sistema de alerta de cheias até 2023, assegura o Governo Regional

Alterações climáticas representam "outro risco de fator adicional", afirmou Alonso Miguel.
Lusa 12 de Outubro de 2021 às 01:22
Mau tempo nos Açores
Mau tempo nos Açores FOTO: Direitos Reservados / Redes Sociais
O secretário do Ambiente e Alterações Climáticas do Governo dos Açores, Alonso Miguel, avançou hoje que a região vai ter, até 2023, um sistema de alerta de cheias em bacias de risco para minimizar a possibilidade de inundações. 

"Trata-se um sistema de alerta de cheias em bacias de risco na região para a minimização de riscos naturais. Tem um valor de 1,9 milhões de euros e a implementação estará concluída até 2023, sendo que, para 2022, já há verba inscrita no valor 700 mil euros", declarou à Lusa.

Segundo disse, aquele sistema é "importante" uma vez que as inundações mais frequentes registadas no arquipélago ocorrem devido a "cheias rápidas" que resultam de "episódios de precipitação muito intensa" com "consequências por vezes devastadoras".

"As características físicas das nossas bacias hidrográficas, atendendo também ao regime geral, naturalmente torrencial, e atendendo às dimensões pequenas e acentuadas dessas bacias, são aspetos que contribuem para um agravamento da periodicidade desses eventos", assinalou.

Além dos aspetos geográficos, as alterações climáticas representam "outro risco de fator adicional", segundo afirmou o governante que é mestre em Engenharia Ambiental e doutorado em Gestão Interdisciplinar da Paisagem.

O sistema, que vai ser totalmente financiado pelo REACT-EU (um programa da União Europeia dedicado às políticas de coesão), vai permitir detetar "atempadamente os movimentos de massa" que possam "provocar a obstrução dos cursos de água".

Aquele sistema vai também facultar a observação em tempo real das "condições de escoamento" e calcular os tempos de validação.

"Vai dar também oportunidade de fazer tempos de validação. Ou seja, o tempo que cada gota de água que cai no ponto mais distante da linha leva até chegar à secção que define o limite dessa bacia", afirmou o governante.

Alonso Miguel realçou ainda que vão existir "estações hidrométricas para analisar em tempo real as condições meteorológicas".

A forte precipitação que hoje se faz sentir nos Açores já provocou várias inundações em habitações nas ilhas de São Miguel e Terceira e em várias vias públicas, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Já a 28 de setembro, cinco casas das freguesias açorianas de Mosteiros e Sete Cidades, na ilha de São Miguel, tinham ficado sem condições de habitabilidade, na sequência da forte chuva.

Alonso Miguel disse não ser possível quantificar os custos dos prejuízos provocados pelo mau tempo, uma vez que as operações têm tido a "intervenção de vários departamentos do governo", da Proteção Civil e da Câmara Municipal de Ponta Delgada.

"Saber quanto é que foi o impacto financeiro destas chuvas, nomeadamente nos Mosteiros e Sete Cidades, eu julgo que ainda não é possível fazer", concluiu.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou sob aviso amarelo, até às 18:00 de terça-feira, as ilhas do grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) por causa das previsões de precipitação por vezes forte, podendo ser acompanhada de trovoada.

No caso das ilhas do grupo central (Terceira, São Jorge, Pico, Graciosa e Faial) o aviso amarelo, devido à chuva, por vezes forte, e trovoada, vai vigorar até às 21:00 de hoje.

O aviso amarelo meteorológico é o terceiro menos grave de uma escala de três.

  

Ver comentários