Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Migração e fluxos nas cidades serão tema da programação aberta do Congresso Mundial de Arquitetos

Primeiro debate da programação aberta reunirá, na segunda-feira, os arquitetos da Índia e do Brasil, que falarão sobre a temática das "migrações e diásporas".
Lusa 20 de Junho de 2021 às 10:32
Rio de Janeiro, Brasil
Rio de Janeiro, Brasil FOTO: Getty Images
O impacto dos fluxos migratórios nas cidades será o tema central da quarta semana aberta do 27.º Congresso Mundial de Arquitetos, organizado no Rio de Janeiro, que arranca na segunda-feira, sob o eixo temático "transitoriedades e fluxos".

O comissário-geral do evento, Igor de Vetyemy, explicou à Lusa que a programação da última semana gratuita do congresso, realizado em formato digital devido à pandemia de Covid-19, "lida com o impacto" nas cidades e, portanto, nas "sociedades de tendências migratórias do passado e do presente".

"Ele [eixo temático] vai lidar com a herança, por exemplo, que a cultura brasileira tem do modo de viver dos indígenas, que aqui estavam em 1500 quando os portugueses chegaram e fundaram esta nova sociedade, que mistura elementos da Europa, da América do Sul e da África, a partir dos corpos que foram trazidos e escravizados", explicou Vetyemy.

"Desta mesma forma, poderemos citar exemplos de cada país [representado pelos arquitetos convidados] com as tendências migratórias do passado e com estas tendências [migratórias] da contemporaneidade [provocadas] por guerras, por miséria absoluta, por intolerância religiosa, por motivos económicos", acrescentou.

O primeiro debate da programação aberta reunirá, na segunda-feira, os arquitetos Rahul Mehrotra, da Índia, e Zulu Araújo, do Brasil, que falarão sobre a temática das "migrações e diásporas".

Na terça-feira, o tema em discussão será "novas práticas na Arquitetura", numa conversa entre a ativista brasileira Carmen Silva e o arquiteto colombiano Edgar Mazo.

O terceiro debate, centralizado no tema "transitório e efémero", acontece na quarta-feira, e reunirá os urbanistas e pensadores Raquel Rolnik e Claudio Acioly.

Na quinta-feira haverá um 'Live de Semana', em que especialistas aprofundam as questões destacadas nos debates e responderão perguntas do público participante.

Fazendo um balanço sobre os aspetos mais relevantes das atividades já realizadas nas semanas anteriores, Vetyemy frisou que os organizadores não desejavam que o congresso acontecesse de forma digital, mas a pandemia, que impediu encontros presenciais, favoreceu a ampliação do público participante do 27.º Congresso Mundial de Arquitetos.

"Um congresso que tem como lema 'Todos os mundos num só mundo', nunca contou com a participação de tantos países nas suas discussões. Nós temos pessoas inscritas de mais de 195 países", destacou.

A pandemia também favoreceu um olhar novo sobre as cidades do futuro já que na visão do comissário-geral as sociedades precisaram, desde a eclosão do vírus SARS-CoV-2, em Wuan, na China, "reaprender como, improvisadamente poderíamos, a partir do uso da tecnologia que já desenvolvemos viver sem estes fluxos todos [de pessoas]", que caracterizam a sociedade contemporânea.

Segundo Vetyemy, a participação de um número muito expressivo de inscritos no congresso, mais de 70 mil pessoas até ao momento, também acabou motivando a inclusão de novos conteúdos na plataforma que reúne conteúdo exclusivo.

"Neste mês, a plataforma está cheia de atividades que já começam a render frutos [como] a parceria que o Arquitetos do Brasil (IAB) com a Architectural Society of China (ASC), com diversos 'ArchiTalks' com arquitetos chineses que têm muita coisa a ensinar", contou.

"Uma coisa que estamos tentando melhorar para esta semana é incluir outros conteúdos além destes quatro debates que ficam abertos durante uma semana [de 21 a 27 de junho], para o público em geral", completou.

Na plataforma com conteúdo exclusivo serão lançadas 16 'ArchiTalks' com os arquitetos brasileiros Carlos Alberto Maciel, Cintia Menezes Lins, Cristina Garcez, Índio da Costa, Lourenço Gimenes, Mario Biselli, Noelia Monteiro, Pablo Hereñú, Pedro Alban, Pedro Varela, Roberto Moita, Vinícius Andrade, o francês Jean-Pierre Pranlas-Descours e o equatoriano Pablo Moreira.

Marcado inicialmente para julho de 2020, o Congresso Mundial de Arquitetos teve de ser adiado para o presente ano, devido à pandemia de covid-19, decorrendo de forma totalmente virtual entre março e julho.

Igor de Vetyemy Lusa/Fim São Paulo Brasil O Rio de Janeiro China Arquitetos ArchiTalks questões sociais
Ver comentários