Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Cegueira pode ser evitada com diagnóstico precoce

Perda de visão é progressiva e acontece décadas depois do início da doença ocular.
Daniela Polónia 23 de Março de 2019 às 09:34
Exame aos Olhos
Exame aos olhos
Olhos inflamados
Exame aos Olhos
Exame aos olhos
Olhos inflamados
Exame aos Olhos
Exame aos olhos
Olhos inflamados
A cegueira provocada pelo glaucoma é irreversível mas pode ser evitada. Esta doença ocular caracteriza-se por uma atrofia progressiva do nervo ótico, que conduz a imagem do olho até ao córtex cerebral.

"O diagnóstico precoce tem uma importância fundamental para o prognóstico final. Quanto mais precoce o diagnóstico, menos provável é acontecer uma perda visual grave", diz Fernando Falcão Reis, presidente da Sociedade Portuguesa de Oftalmologia.

Regra geral, o glaucoma surge depois dos 40 anos e a perda progressiva de visão acontece décadas depois do início da doença. A forma mais comum é o glaucoma primário de ângulo aberto, que não está associado a sintomas. Assim, as consultas regulares no oftalmologista são fundamentais.

"Se as pessoas não tiverem queixas, não procuram o médico. Ainda hoje o diagnóstico da doença é feito tardiamente. O intervalo entre o conhecimento da doença e a perda de visão que incapacita o doente pode ser muito curto", alerta o especialista.

Nos casos em que surgem sintomas - glaucoma de ângulo fechado - estes podem passar por vermelhidão nos olhos, náuseas, vómitos e dores oculares. Para que o tratamento seja eficaz, deve começar antes de haver lesões graves no nervo ótico. São aplicados colírios que são escolhidos pelo médico, dependendo de cada caso.

Nas fases mais avançadas, em que não é possível controlar a evolução da mesma com os medicamentos, é necessária intervenção cirúrgica - o laser é uma técnica utilizada com frequência em doentes menos graves. Nos casos mais graves, opta-se por cirurgias mais invasivas.

O glaucoma é a causa mais frequente de cegueira irreversível nos países desenvolvidos.

"Fui diagnosticado por sorte"
"Devo ser um caso raro de sorte. Não tinha quaisquer sintomas mas o meu oftalmologista fez-me um exame mais específico e diagnosticou glaucoma", refere Joaquim Oliveira Moreira, de 67 anos, que vive em Leça da Palmeira, em Matosinhos.

O reformado foi diagnosticado há mais de dez anos e não tem tido manifestações da doença. Garante ainda que vê bem. "Todos os dias coloco gotas nos olhos. Duas vezes por dia no direito e três vezes no esquerdo. Além disso, faço exames todos os anos para controlar o estado da doença que, felizmente, não tem piorado", explica ao CM.

"Hipertensão ocular é uma das causas"
Fernando Falcão Reis - Pres. Soc. Port. de Oftalmologia
CM: Quais são as causas do glaucoma?
–Fernando F. Reis : O glaucoma é uma doença multifatorial, ou seja, pode ter várias causas. A hipertensão ocular e a falta de irrigação sanguínea são causas bem identificadas.
– Como é que se pode prevenir esta doença ocular?
– A forma mais eficaz é consultar o oftalmologista de forma regular a partir dos 40 anos e recusar as "consultas" grátis dos optometristas.
–Qual é a prevalência da doença em Portugal?
– Não há dados exatos. No entanto, pensa-se que cerca de 300 mil pessoas poderão ter ou estar em risco de vir a ter glaucoma.
Ver comentários